Por Laura MacInnis GENEBRA (Reuters) - O vírus da gripe H1N1 deve continuar a se disseminar rapidamente entre as pessoas, dentro dos países e ao redor do planeta, disse na segunda-feira a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde, Margaret Chan.

Ministros e especialistas iniciaram uma reunião em Genebra para discutir como combater o vírus com vacinas e medicamentos e o que levaria a OMS a declarar a existência de uma pandemia.

"Pela primeira vez na história da humanidade, estamos vendo, ou poderemos estar vendo, uma pandemia de influenza se desenvolver diante de nossos olhos", afirmou Chan perante a Assembleia Mundial de Saúde.

O médico Richard Besser, chefe do Centro para Controle e Prevenção de Doenças, dos EUA, disse numa reunião com autoridades importantes da assembleia que o novo vírus se espalhou por quase todos os 50 Estados norte-americanos e não mostrou sinais de estar se enfraquecendo.

Nova York registrou a primeira morte pelo vírus e o Chile relatou dois casos novos, somando-se aos dois primeiros casos registrados no domingo. O Japão também confirmou na segunda-feira que 125 pessoas, muitas das quais não viajaram ao exterior, foram infectadas pela nova cepa.

Testes preliminares indicaram o primeiro caso suspeito na Grécia, de um grego que havia viajado aos EUA, informou o Ministério da Saúde. O resultado de segundo teste ainda era aguardado.

Quarenta países confirmaram casos da cepa, que é uma mescla de vírus suíno, humano e aviário. Quase todos os 74 mortos eram do México, mas de forma geral as pessoas têm apresentado sintomas brandos.

"Diferentemente do vírus aviário, o novo vírus H1N1 se dissemina com facilidade de pessoa para pessoa, se dissemina rapidamente dentro de um país assim que se estabelece e está se espalhando rapidamente para novos países. Acreditamos que esse padrão se mantenha", afirmou Chan.

O vírus também pode apresentar risco a pessoas com HIV/Aids e tuberculose e em favelas densamente povoadas, disse ela.

Chan afirmou que o H1N1 pode apresentar um risco particularmente alto quando combinado com o vírus da gripe aviária H5N1, que agora está "restrita" a aves em diversos países.

"Ninguém pode dizer como esse vírus aviário vai se comportar quando pressionado por um grande número de pessoas infectadas pelo novo vírus H1N1", disse ela.

O enviado do Egito afirmou que a ameaça proveniente da gripe aviária não deve ser ignorada, ressaltando que foram registrados três novos casos do H5N1 em humanos naquele país na semana passada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.