Nova crise entre Governo da Colômbia e Supremo por diálogos com paramilitares

Bogotá, 25 ago (EFE).- Uma nova crise entre o Governo e a Corte Suprema de Justiça da Colômbia explodiu hoje, após a denúncia de diálogos de funcionários da Presidência com emissários de grupos paramilitares de extrema direita.

EFE |

O choque de poderes aconteceu depois que a revista "Semana" divulgou que o secretário jurídico da Presidência, Edmundo del Castillo, e o de Imprensa, César Mauricio Velásquez, receberam enviados do ex-chefe paramilitar Diego Fernando Murillo, conhecido como "Don Berna", no palácio presidencial de Nariño.

Ex-líder da desmobilizada organização Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), Don Berna foi um dos 15 ex-líderes dessa organização, que foi extraditado por narcotráfico aos Estados Unidos em maio.

Diego Álvarez, um advogado de Don Berna, visitou os assessores de Uribe para entregar-lhes provas de um suposto complô da Corte Suprema de Justiça contra o presidente, segundo a versão jornalística.

Os assessores do presidente Uribe confirmaram os contatos com os enviados dos paramilitares, mas esclareceram que só se limitaram a ouvir as denúncias.

No entanto, o presidente da Corte Suprema de Justiça, Francisco Ricaurte Gómez, denunciou uma "estranha aliança" entre o Executivo e os paramilitares para prejudicar o tribunal, e pediu uma investigação à Procuradoria-Geral do país.

Ricaurte quer que seja investigada uma "conspiração" entre a Presidência da República e os paramilitares para prejudicar o Tribunal Supremo.

"Isto é inconcebível em um estado de direito. Aqui há algo estreito, uma convivência com criminosos para prejudicar a Corte Suprema de Justiça", manifestou Ricaurte.

Ele anunciou que também denunciará a situação ao promotor do Tribunal Penal Internacional (TPI), Luis Moreno Ocampo, que se encontra em visita à Colômbia.

"Este episódio vem demonstrar o que denunciou a Corte Suprema de Justiça há algum tempo: que há um complô para desacreditar seus magistrados e para deslegitimar as denúncias", disse Ricaurte.

O tribunal investiga diversos políticos e congressistas de grupos próximos ao Governo de Uribe por nexos com paramilitares, dentro do escândalo conhecido como "Parapolítica". EFE gta/gs

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG