Nova Constituição tem amplo apoio em referendo no Equador

QUITO - O Equador aprovou no domingo por ampla maioria uma nova Constituição socialista, numa guinada à esquerda que o presidente Rafael Correa classificou de histórica e que lhe dará poderes para acelerar suas reformas socialistas no país.

Redação com agências |

A nova Carta Magna, que dá ao Estado o controle dos setores estratégicos da economia, é a pedra fundamental do projeto político de Correa, com o qual ele promete pôr fim "à larga noite neoliberal" que arruinou o país, mas que os adversários do presidente chamam de "perigosamente autoritária".


Correa comemora resultado com partidários / AP

Desde os remotos povoados indígenas da Amazônia até as exóticas Ilhas Galápagos, uma ampla maioria de quase 10 milhões de eleitores chamados às urnas apoiou o texto constitucional que foi duramente criticado pela Igreja Católica, partidos políticos tradicionais e empresários.

"Hoje o Equador decidiu um novo país, as velhas estruturas foram derrotadas", disse o popular presidente de 45 anos na cidade portuária de Guayaquil, onde Correa também classificou o resultado como "triunfo histórico".

Com 91% dos votos apurados, o Tribunal Supremo Eleitoral contabilizava apoio de 64,02% dos eleitores ao projeto constitucional, confirmando a tendência verificada em pesquisas de boca-de-urna. O "não" à Constituição somava 28,09%.

Centenas de eufóricos simpatizantes cantavam, balançavam bandeiras nacionais e aplaudiam o presidente, que comemorou a vitória no reduto eleitoral da oposição.

Com informações da Reuters e da EFE

Leia mais sobre: Equador

    Leia tudo sobre: equador

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG