Nova Constituição do Equador é aprovada em referendo, aponta boca-de-urna

O projeto de Constituição do Equador, promovido pelo presidente Rafael Correa, teria sido aprovado em referendo realizado neste domingo, conseguindo entre 66,4% e 70% dos votos, segundo duas pesquisas de boca-de-urna de institutos privados, divulgadas pela TV, ao término das votações.

Redação com agências internacionais |

O presidente equatoriano, Rafael Correa, esperará em Guayaquil, sua cidade natal e reduto de seu principal opositor, o prefeito Jaime Nebot, pelos resultados do referendo constitucional que acontece hoje no Equador.A cidade litorânea se transformou no centro das atenções deste referendo, no qual os equatorianos devem se pronunciar sobre o projeto da nova Constituição, impulsionado por Correa e rejeitado por Nebot.

Após votar hoje, Nebot expressou sua confiança de que vencerá em Guayaquil o "não" ao projeto, elaborado ao longo de oito meses por uma Assembléia Constituinte de maioria governista.

Guayaquil "saberá negar ao 'sim' os votos suficientes para que nesta cidade não seja aprovada a Constituição", disse.

No entanto, disse que caso o "não" vença em sua cidade, isso não significa que desconsiderará uma vitória do "sim" no resto do país, mas reivindicou que também seja respeitado o pronunciamento dos cidadãos de seu município.

Se a posição opositora vencer em Guayaquil, isso será como um "aval para que seja respeitado um modelo de desenvolvimento que gerou progresso" na cidade, disse Nebot.

Correa, ao abrir a votação em Quito, se comprometeu a respeitar e fazer respeitar os resultados do referendo.

"Será uma ordem que cumpriremos com responsabilidade histórica", disse.

O ministro de Coordenação Política do Equador, Ricardo Patiño, um dos homens mais próximos ao presidente, se disse "absolutamente convencido" de que o "sim" ganhará em Guayaquil.

Segundo ele, Nebot quis dizer que "espera que o 'sim' não ganhe com mais de 50%".

(Com AFP e EFE)

    Leia tudo sobre: referendo no equador

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG