Nos EUA, Brown pede união para recuperação global

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, pediu nesta terça-feira, em discurso no Congresso americano, um esforço conjunto para remodelar o sistema financeiro internacional e combater a crise na economia mundial. Não se pode esperar que os Estados Unidos e alguns poucos países suportem sozinhos o peso do estímulo fiscal e da redução das taxas de juros, disse Brown.

BBC Brasil |

"Devemos compartilhar isso de maneira global."
"Vamos trabalhar juntos pela redução mundial das taxas de juros e por uma escala de estímulo em todo o mundo igual à profundidade da recessão e nas dimensões da recuperação que precisamos promover", acrescentou.

"Devemos aproveitar o momento porque nunca vi um mundo tão desejoso de agir unido", disse Brown. "E nunca houve um (mundo) que precisasse tanto."
Em encontro com o presidente americano, Barack Obama, na terça-feira, Brown havia dito que os dois líderes concordam com a necessidade de criação de novas regras e mecanismos para o sistema financeiro e que a relação entre os dois países deve permanecer forte.

Nesta quarta, o primeiro-ministro britânico - que foi aplaudido 17 vezes durante seu discurso - voltou a pedir a criação de "regras e padrões de transparência, responsabilidade e recompensa" no sistema financeiro.

Brown, que como ministro do governo de Tony Blair comandou a economia de seu país por cerca de dez anos, concentrou suas declarações na defesa de medidas para promover uma recuperação econômica.

"Temos a missão não só de administrar, mas também de transformar nossos tempos", disse o líder britânico aos congressistas americanos.

O primeiro-ministro também se disse contra a adoção de medidas protecionistas, que, segundo ele, "não protegem ninguém".

Durante o pronunciamento, Brown evitou descrever a crise nos mercados como reflexo de um problema que começou nos Estados Unidos para se espalhar depois para o resto do mundo.

Analistas dizem que o discurso foi uma oportunidade de Brown tentar aumentar sua popularidade junto ao eleitorado britânico, ao assumir o papel de líder de relevância global
Pesquisas de opinião sugerem que, se as eleições na Grã-Bretanha fossem realizadas hoje, a oposição conservadora venceria a disputa.

Brown deve convocar novas eleições dentro de 18 meses.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG