Uma lei que proíbe os cidadãos noruegueses de pagarem por sexo dentro ou fora do país entra em vigor nesta quinta-feira. De acordo com as autoridades da Noruega, quem for pego contratando serviços de prostitutas pagará uma multa e poderá ser condenado a seis meses de prisão.

Em casos de prostituição infantil, a detenção poderá ser estendida para três anos.

O governo norueguês decidiu punir clientes, e não as prostitutas, numa tentativa de combater problemas como o turismo sexual e a prostituição infantil.

A nova lei é mais dura do que as medidas já introduzidas por outros países escandinavos, como Suécia e Finlândia.

Na Noruega, a polícia será autorizada a grampear telefones para reunir provas contra os infratores.

De acordo com o jornal norueguês Dagsavisen, a nova legislação já provocou o êxodo de muitas prostitutas estrangeiras.

"Temos indicações de que cerca de 50% das prostitutas do leste europeu e 40% das nigerianas já saíram do país", disse Olav Laegdene, do Centro da Mulher Nadheim ao diário.

O governo diz que oferecerá acesso à educação pública às prostitutas e tratamentos de saúde para as dependentes de álcool ou drogas.

Críticos afirmam que a lei não conseguirá combater a prostituição e que atividade será mais difícil de ser controlada.

Leia mais sobre prostituição

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.