Noriega é colocado sob detenção provisória em Paris

Ex-líder do Panamá aguarda julgamento sob regime de detenção provisória

iG São Paulo |

Reuters
Manuel Noriega, em foto de arquivo de 1989
A justiça francesa ordenou nesta terça-feira a detenção provisória do general panamenho Manuel Noriega, extraditado dos Estados Unidos , enquanto aguarda julgamento, em Paris, por lavagem do dinheiro proveniente da droga.

O ex-presidente do Panamá chegou na manhã desta terça-feira à França, que quer julgá-lo por lavagem de dinheiro supostamente proveniente do tráfico de drogas.

Noriega, de 74 anos, havia embarcado na noite de segunda-feira em Miami em um voo comercial da Air France. Ele deixou o aeroporto Charles de Gaulle sob escolta policial em direção ao Tribunal de Justiça de Paris.

O ex-presidente panamenho havia sido condenado à revelia na França, em 1999, a uma pena de dez anos de prisão por lavagem de dinheiro. A Justiça francesa quer agora realizar um novo julgamento.

Em 1999, Noriega foi considerado culpado por ter lavado na França milhões de dólares supostamente provenientes do cartel de drogas de Medellín por meio do Banco de Comércio e Crédito Internacional (BCCI).

Segundo a Justiça francesa, cerca de 20 contas bancárias haviam sido abertas em Paris e Marselha, no sul da França, por Noriega ou pessoas ligadas a ele em bancos como o BNP, CIC, Crédit Lyonnais e também o Banco do Brasil.

Mas o advogado de Noriega na França, Yves Leberquier, alegou na noite de segunda-feira que o ex-presidente não pode ser julgado novamente por causa de sua imunidade como ex-chefe de Estadoas e porque acusações contra ele, que seriam baseadas em fatos ocorridos nos anos 80, teriam prescrito.

Dificuldades

Nesta terça-feira, Noriega, após ser informado pelo Procurador da República sobre o mandado de prisão emitido contra ele, comparecerá diante de um juiz que poderá decretar sua prisão provisória enquanto ele aguarda um eventual novo julgamento, afirmou o porta-voz do Ministério da Justiça francês, Guillaume Didier.

O advogado de Noriega disse que "esse caso apresenta grandes dificuldades jurídicas e, em razão disso, vamos pedir que a Justiça francesa se declare incompetente para avaliá-lo".

O julgamento de Noriega na França seria realizado em um período de até dois meses após a eventual decretação de sua prisão provisória, disse o porta-voz do Ministério da Justiça. Esse prazo só pode ser renovado uma vez, acrescentou.

Tido como grande aliado dos Estados Unidos na época da Guerra Fria, Noriega perdeu o apoio de Washington por sua participação no tráfico de drogas. Ele foi deposto e capturado em 1989 durante a intervenção militar americana no Panamá.

Noriega foi condenado a 40 anos de prisão nos Estados Unidos por tráfico de drogas, mas sua pena acabou sendo reduzida a 17 anos por boa conduta. Mas alguns dias antes da data prevista de sua libertação, em setembro de 2007, um juiz federal americano aprovou sua extradição para a França.

Em 22 de março, a Justiça recusou a Noriega o direito de depor novamente nesse processo de extradição, pondo fim ao seu último recurso. As autoridades francesas foram informadas há 15 dias da extradição de Noriega à França, informou o porta-voz.

Segundo o advogado de Noriega no Panamá, Julio Berrios, a extradição do ex-líder para a França "seria o resultado de um acordo secreto entre os dois últimos governos do Panamá, os Estados Unidos e a França para que ele não retorne ao país".

    Leia tudo sobre: Manuel NoriegaPanamá

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG