Nobel da Paz é entregue a três mulheres em Oslo

Presidenta da Libéria e duas ativistas de direitos humanos receberam prêmio neste sábado; primeira vez na história que premiadas são todas mulheres

iG São Paulo |

A cerimônia de entrega do Prêmio Nobel da Paz de 2011 se transformou neste sábado em uma homenagem à luta das mulheres de todo o mundo e aos movimentos populares da chamada Primavera Árabe. O prêmio foi entregue à presidenta da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, à sua compatriota Leymah Gbowee e à iemenita Tawakkul Karman. É a primeira vez na história que o prêmio é atribuído a três mulheres.

Luta pelas mulheres: Conheça a trajetória de Ellen, Leymah e Tawakkul

Veja infográfico: Saiba mais sobre as mulheres no mundo árabe e muçulmano

As três foram agraciadas pelo comitê "por sua luta não violenta pela segurança das mulheres e seus direitos a uma participação plena no trabalho de construção da paz". As mulheres foram um dos temas principais dos discursos das vencedoras do prêmio, incluindo aquelas que, "com sua luta privada e silenciosa, ajudaram a formar nosso mundo".

Reuters
Na foto, Tawakkol Karman (esq), Leymah Gbowee e Ellen Johnson Sirleaf posam com prêmio


"Vocês representam uma das forças motrizes mais importantes das mudanças no mundo de hoje: a luta pelos direitos humanos em geral e a luta das mulheres pela igualdade e pela paz, em particular", disse o presidenta do Comitê Nobel, Thorbjoern Jagland, antes de entregar o prêmio. "Vocês dão sentido ao provérbio chinês, que diz que as mulheres sustentam metade do céu", acrescentou.

Vestidas com trajes tradicionais - as liberianas com vestidos africanos coloridos, enquanto Tawakkul Karman usou um hijab colorido - as vencedoras receberam o Nobel sob os aplausos do presentes, que incluiu a família real da Noruega.

Premiadas

Ellen Johnson, de 73 anos, foi a primeira mulher eleita democraticamente chefe de Estado de um país africano, a Libéria, que sofreu 14 anos de guerras civis que fizeram 250 mil mortos. “O fato de que duas mulheres liberianas estejam aqui hoje para partilhar o pódio com uma irmã vinda do Iêmen mostra o caráter universal do nosso combate”, sublinhou Sirleaf no seu discurso.

Saiba mais:
- Situação geral: Apesar de papel em levantes, mulheres árabes ainda lutam por direitos
- Mulheres no Egito: Contrarrevolução frustra avanço de egípcias, diz ativista
- Mulheres no Iêmen: Casamento infantil dificulta situação de mulheres no Iêmen
- Personagem da Líbia: Professora foi 'voz do povo líbio' em levante contra Kadafi

Dirigindo-se às mulheres do mundo inteiro, Sirleaf desafiou-as a fazerem-se ouvir: “Falai! Levantai a voz! Que a vossa voz seja a da liberdade!”, exortou. Leymah Gbowee, de 39 anos, é uma assistente social liberiana que organizou o movimento pacífico de mulheres que, com a ajuda de uma original greve de sexo, contribuiu para por fim à segunda guerra civil na Libéria, em 2003.

A jornalista iemenita Tawakkul Karman, de 32 anos, é a primeira mulher árabe a receber o Prêmio Nobel da Paz. Foi distinguida por ter sido uma das figuras de proa da Primavera Árabe no seu país, um movimento que levou ao período de transição para que o presidente Ali Abdullah Saleh abandone em fevereiro próximo o poder que ocupa há 33 anos.

Tawakkul lamentou a relativa indiferença do resto do mundo em relação à revolução iemenita. "O mundo democrático, que nos falou muito dos valores da democracia e da boa governança, não deve ficar indiferente ao que está acontecendo no Iêmen e na Síria".

O Prêmio Nobel é constituído por uma medalha de ouro, um diploma e um cheque de 10 milhões de coroas suecas (cerca de 1 milhão de euros) repartido em três partes iguais pelas vencedoras. Neste sábado, em Estocolmo, a cerimônia também envolve outras categorias do Prêmio Nobel. Ainda são contemplados os vencedores de Literatura, Química, Física, Medicina e Economia.

*com EFE e Agência Brasil

    Leia tudo sobre: nobel da pazmulheres do mundo árabe

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG