Nixon era gay, maltratava a mulher e bebia muito, diz livro

Livro diz que ex-presidente americano manteve uma relação homossexual com banqueiro, que supostamente tinha ligações com a máfia

iG São Paulo |

Getty Images
Ex-presidente americano Richard Nixon em foto tirada em 1970
Um livro que será lançado em janeiro nos Estados Unidos afirma que o ex-presidente Richard Nixon (1969 - 1974) manteve uma relação homossexual com o banqueiro Charles Rebozo, que supostamente tinha ligações com a máfia.

Leia também: Conversas entre Nixon e Rockefeller revelam detalhes sobre rebelião

Nixon's Darkest Secrets: The Inside Story od America's Most Troubled President (Os Segredos Mais Obscuros de Nixon: A História dos Bastidores do Presidente Mais Problemático da América, em tradução livre), de Don Fulsom, veterano correspondente da Casa Branca, revela a suposta relação turbulenta que o ex-líder mantinha com seu amigo de origem cubana, informou o jornal The Huffington Post em sua edição digital.

O livro também reforça a fama de misógino do ex-presidente, ao assegurar que ele maltratava a esposa. Além disso, afirma que Nixon tinha problemas com a bebida e que seus assessores mais próximos o tratavam como "nosso bêbado".

Saiba mais:
- Bibliotecas presidenciais recordam Reagan e Nixon de formas diferentes

- Biografia retrata Sarah Palin como usuária de drogas e mãe ausente

Nixon era considerado uma pessoa homofóbica. O livro conta que quando um assessor de Lyndon Johnson (1963 - 1969), seu antecessor na Casa Branca, foi encontrado mantendo relações com um marinheiro, Nixon o chamou de "doente" e disse que esse tipo de pessoa não poderia ocupar cargos de confiança.

A amizade de Nixon e Rebozo era bastante conhecida durante os anos em que governou o país. O ex-presidente costumava frequentar a casa do banqueiro em Key Biscayne, na Flórida, tanto com sua esposa como sozinho. Segundo o FBI, Rebozo era muito próximo de dois dos maiores gângsteres da década de 1960, Santo Trafficante e Alfred "Big Al" Polizzi.

Para escrever o livro, Fulsom recorreu a relatórios oficiais e entrevistou antigos funcionários da Casa Branca e ex-congressistas. Em depoimento ao autor, um ex-repórter da Time contou que durante um jantar em Washington, viu Nixon segurando a mão do banqueiro sob a mesa.

Com EFE

    Leia tudo sobre: nixoneuagayhomossexualalcoolismopresidentelivro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG