eram confidenciais e foram liberados nesta segunda-feira." / eram confidenciais e foram liberados nesta segunda-feira." /

Nixon e Médici discutiram como derrubar Allende

WASHINGTON - O presidente americano Richard Nixon e o general e presidente brasileiro Emílio Garrastazu Médici discutiram, em dezembro de 1971, como cooperar para derrubar o presidente chileno Salvador Allende, segundo documentos oficiais da Casa Branca que http://www.gwu.edu/~nsarchiv/NSAEBB/NSAEBB282/index.htm target=_blankeram confidenciais e foram liberados nesta segunda-feira.

Redação com agências internacionais |

Em um encontro na Casa Branca em 9 de dezembro de 1971, Nixon perguntou ao presidente brasileiro se os militares chilenos eram capazes de derrubar Allende.

Médici respondeu que na sua opinião eram e "deixou claro que o Brasil estava trabalhando com este objetivo", completa o memorando, que deixou de ser confidencial em julho, como obriga uma lei de documentos oficiais americana.

Nixon deu seu consentimento à suposta desestabilização política brasileira no Chile, onde Allende assumira o poder há pouco mais de um ano.

O golpe de Estado liderado pelo general Augusto Pinochet aconteceu quase dois anos depois, no dia 11 de setembro de 1973.

"O presidente (Nixon) disse que era muito importante que Brasil e Estados Unidos trabalhassem estreitamente neste campo", acrescenta o memorando.

Nixon pediu a Médici, general presidente da ditadura militar brasileira desde 1969, que contasse como poderia ajudar. "Se precisa de dinheiro ou outra ajuda discreta, talvez possamos colocar a sua disposição", disse Nixon.

Estados Unidos e Brasil, afirmou Nixon ao convidado brasileiro, "devem tentar e prevenir novos Allendes e Castros e evitar, onde for possível, inverter estas tendências".

"O Brasil, como país sul-americano, pode fazer muitas coisas que os Estados Unidos não podem na região", comentou Nixon durante o encontro.

O golpe de Pinochet contra Allende acabou com o primeiro governo de tendência marxista que chegou ao poder pelas urnas na América Latina e deu início a uma ditadura que deixou, oficialmente, mais de 3 mil vítimas, entre executados e desaparecidos (1973-1990).

Nixon renunciou em 1974 para evitar um impeachment iminente por parte do Congresso, em meio ao escândalo de Watergate.

* Com AFP

Leia mais sobre Allende

    Leia tudo sobre: chileditaduranixon

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG