Nível de tolerância ao álcool estaria inscrito nos genes (estudo)

Um marcador genético pode tornar algumas pessoas mais vulneráveis à dependência do cigarro, ou levar outras a consumir uma quantidade maior de álcool antes de se embriagar, de acordo com um estudo divulgado nos EUA, nesta segunda-feira.

AFP |

Pesquisas anteriores já haviam mostrado que um grupo particular de cromossomos torna determinadas pessoas mais vulneráveis ao câncer de pulmão, ou a se tornarem alcoólatras.

Agora, os cientistas encontraram provas de que pessoas com uma boa resistência ao consumo de bebidas alcoólicas têm mais chances de ficarem dependentes do que outras e que esses traços são hereditários.

Os pesquisadores estudaram esses cromossomos em grupos de irmãos, 367 pessoas ao todo, para ver se tinham impacto no grau de resposta ao álcool.

Apesar de não terem conseguido isolar um único cromossomo, encontraram uma forte associação entre as mutações genéticas desses grupos de cromossomos e a maneira como certos indivíduos começam a cambalear pelos efeitos da embriaguez.

"Essas descobertas confirmam que o nível de resposta ao álcool, um fenótipo intermediário associado à dependência e ao abuso do álcool, tem um componente genético", escreveu Geoff Joslyn, da Clínica e Centro de Pesquisa Ernest Gallo.

O estudo representa também um "forte apoio" ao uso potencial do nível de tolerância ao álcool para determinar eventuais predisposições genéticas ao alcoolismo.

"Pode servir também para identificar se outros marcadores genéticos indicam predisposição para desordens vinculadas ao consumo de álcool", acrescentaram os autores desse estudo divulgado hoje pela Academia Nacional de Ciências.

mso/tt/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG