Nigeriano que tentou explodir avião se declara inocente

Os advogados do nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab, indiciado por seis crimes nos Estados Unidos após tentar explodir um avião que ia para Detroit no dia de Natal, declararam nesta sexta-feira que o cliente se diz inocente em sua primeira aparição perante um tribunal no país. Em uma audiência curta, Abdulmutallab ouviu a leitura das acusações e respondeu ao juiz Mark Random que estava apto a compreender as acusações contra ele, apesar de estar tomando medicamentos para dores.

BBC Brasil |

Ele foi ferido após tentar explodir uma bomba dentro da aeronave da Northwest Airlines.

Abdulmutallab ficou em silêncio quando seus advogados anunciaram que ele se declara inocente das acusações.

Na quarta-feira, a Justiça americana acusou formalmente Abdulmutallab por seis crimes, entre eles tentativa de assassinato, tentativa de uso de armas de destruição em massa, tentativa de detonar explosivos e porte de armas de fogo.

Inteligência
Na quinta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou novas medidas de segurança ao apresentar os resultados de um relatórios sobre as investigações iniciais do atentado frustrado.

Entre as medidas anunciadas por Obama estão um fortalecimento no critério usado para adicionar pessoas na lista de monitoramento para os considerados suspeitos de terrorismo pelo país.

Além disso, Obama disse ainda que os EUA passarão a usar mais scanners e outros equipamentos tecnológicos nos aeroportos.

As medidas foram detalhadas pela secretária de Segurança Interna, Janet Napolitano, logo após o discurso de Obama.

Segundo ela, os novos scanners serão adotados para tentar antecipar as maneiras de se embarcar com itens perigosos em aviões e anunciou ainda que o desenvolvimento de novas tecnologias de imagem será acelerado pelo governo.

A secretária afirmou que o governo americano incentivará aeroportos de outros países a também reforçarem seus esquemas de segurança.

Napolitano deve viajar à Espanha neste mês para um encontro com outros secretários de Segurança para buscar medidas mais rigorosas na segurança da aviação internacional.

Falhas
O resumo do relatório, de seis páginas, apresentado por Obama, afirma que o serviço de inteligência do país possuía alguns fragmentos de informações para identificar o nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab como um operador da Al-Qaeda e para impedir seu embarque.

As informações teriam sido recebidas já em outubro de 2009.

Ainda de acordo com o documento, apesar de saber que um operador da Al-Qaeda no Iêmen representava uma ameaça para a segurança dos EUA, os agentes não se focaram nessa ameaça e não conectaram os fragmentos de dados, o que seria necessário para desvendar o esquema.

Segundo o texto, houve um atraso na disseminação de um relatório completo da inteligência e uma falha da CIA, a agência central de inteligência dos EUA, e dos agentes antiterrorismo para buscar todos bancos de dados por informações que poderiam levar a Abdulmutallab.

'Guerra'
Durante a apresentação dos resultados das investigações sobre a tentativa de atentado contra os EUA, Obama disse que o documento indica "uma série de erros humanos" e que o fracasso em prevenir o ataque não foi de um único indivíduo.

Apesar disso, o presidente assumiu a responsabilidade pelas falhas que levaram ao atentado frustrado.

"Quando o sistema falha, é minha responsabilidade", disse o presidente.

Obama voltou a falar em "falhas sistêmicas" nos serviços de inteligência e ressaltou que não houve falha na coleta de informações, mas em "conectar e compreender" as informações que o governo já possuía.

Segundo ele, o país "está em guerra com a Al-Qaeda".

"Estamos em guerra, estamos em guerra com Al-Qaeda e vamos fazer o que for preciso para derrotá-los", afirmou.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG