Companhia de Murdoch teria oferecido 2 milhões de libras à família de Milly Dowler, cujo telefone foi grampeado por tabloide

Milly Dowler, em foto sem data, teve seu celular grampeado pelo tabloide News of the World
AP
Milly Dowler, em foto sem data, teve seu celular grampeado pelo tabloide News of the World
A News International, de Rupert Murdoch, afirmou nesta segunda-feira que avançou nas negociações para compensar a família da adolescente assassinada Milly Dowler, cujo telefone foi grampeado pelo tabloide News of the World.

Em comunicado, o braço britânico da News Corp. disse que espera chegar a um acordo em breve com a família de Dowler, cujas mensagens de voz foram acessadas por jornalistas, depois de seu desaparecimento em 2002. Mais tarde, ela foi encontrada morta. A News International afirma que está em "negociações avançadas com a família Dowler, buscando compensá-los".

"Nenhum acordo final foi alcançado até o momento, mas nós esperamos concluir as discussões o mais rápido possível". A companhia não deu detalhes, mas segundo a BBC e o Guardian, foi oferecida uma quantia de 2 milhões de libras, além de 1 milhão de libras em forma de doação para instituições de caridade. O advogado da família Dowler, Mark Lewis, se recusou a fazer qualquer comentário.

A revelação feita pelo jornal Guardian em julho de que o News of the World tinha grampeado a caixa de mensagens de voz de Milly Dowler deixou a população britânica indignada, o que forçou demissões de funcionários e executivos do império de mídia controlado por Murdoch.

O jornal é acusado de ter ouvido as mensagens de voz da garota, além de ter apagado algumas, dando aos seus pais a falsa esperança de que ela ainda estava viva, prejudicando o trabalho da polícia para encontrá-la.

Em julho, Rupert Murdoch, 80 anos, se encontrou com a família Dowler em um hotel em Londres para se desculpar pessoalmente. Ele também fechou as portas do News of the World.

A News International já fez acordos financeiros com as vítimas das escutas telefônicas, incluindo a atriz Sienna Miller, que recebeu 100 mil libras. A News Corp. - que inclui o Wall Street Journal, o estúdio 20th Century Fox e três jornais britânicos - anunciou uma revisão de seus padrões e reservou milhões de dólares para compensar as vítimas das escutas ilegais.

A polícia deteve dezenas de ex-executivos e jornalistas do News of the World durante a investigação.

Com AP e AFP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.