Jerusalém, 14 mai (EFE).- O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pediu hoje ao papa Bento XVI, em uma reunião em Nazaré, que, como figura moral, censure as chamadas do Irã ao desaparecimento de Israel.

"Pedi que, como figura moral, faça ouvir sua voz alta, clara e de forma constante contra as declarações do Irã sobre sua intenção de destruir Israel", afirmou Netanyahu à imprensa após o encontro.

O chefe de Governo israelense deixou claro ao pontífice, que termina amanhã sua peregrinação à Terra Santa, que não pode ser possível que "no início do século XXI haja um Estado dizendo que vai destruir o Estado judeu".

Para Netanyahu, falta "uma voz enérgica condenando isso", embora reconheça que ficou satisfeito com a resposta do papa.

"Ele me disse que condena toda forma de antissemitismo e o ódio contra o Estado de Israel, contra a humanidade em seu conjunto, mas nesse caso contra Israel", comentou.

O porta-voz vaticano Federico Lombardi ressaltou que os dois líderes analisaram durante a reunião o processo de paz no Oriente Médio e o modo de fazer isso "avançar".

O pontífice e Netanyahu falaram a sós durante 15 minutos, no convento dos franciscanos de Nazaré, a cidade de María, José e Jesus. EFE ap/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.