Netanyahu não chega a acordo com Livni para Governo em Israel

Jerusalém, 27 fev (EFE).- O líder do partido nacionalista Likud, Benjamin Netanyahu, e a do centrista Kadima, Tzipi Livni, não chegaram hoje a um acordo para a formação de um Governo de união nacional, devido a divergências sobre o processo de paz.

EFE |

"A visão de dois Estados (para dois povos) não é um mero slogan.

União nacional não é meramente sentar-se no Governo, mas um caminho em conjunto", disse Livni ao sair da reunião, com a qual aparentemente colocou fim aos contatos políticos entre os dois.

Os dois dirigentes se reuniram hoje em Tel Aviv, pela segunda vez em menos de uma semana, para estudar a possibilidade de alcançar um pacto que permitisse formar um Governo de união nacional, mas, como na anterior reunião, Netanyahu não conseguiu "tatear" Livni com suas generosas ofertas de postos ministeriais.

Netanyahu lhe ofereceu hoje "uma completa e igual participação no processo de paz", informou o jornal "Ha'aretz", mas, segundo o governante do Kadima, não se comprometeu a cumprir a ideia central do processo de paz de Annapolis: criar um Estado palestino ao lado de Israel.

Já antes da reunião, fontes dos dois partidos tinham advertido que seria "protocolar" e que havia poucas possibilidades de sair um acordo.

Segundo o "Ha'aretz", a reunião aconteceu porque Netanyahu queria "mostrar que tentou todas as opções para se comprometer com Livni, com ofertas generosas e sem precedentes".

Assim, acrescenta o jornal, jogará na adversária política toda a responsabilidade pública ao ter que fazer concessões aos partidos de extrema direita e ultra-ortodoxos com os quais negocia sua futura coalizão.

O líder do Likud obteve há uma semana a tarefa de formar Governo, apesar de seu partido ter obtido nas eleições de 10 de fevereiro um deputado a menos que o Kadima, com 28 cadeiras. EFE Elb/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG