Netanyahu descarta alternar o governo com Livni

JERUSALÉM - O líder do partido direitista Likud, Benjamin Netanyahu, descartou nesta quarta-feira a possibilidade de alternar a chefia do governo com Tzipi Livni, dirigente do centrista Kadima, legenda mais votada nas eleições de terça-feira.

Redação com agências internacionais |


Clique para ver o infográfico

Em um encontro com os deputados eleitos do Likud, Netanyahu destacou que Livni deve deixar de lado considerações políticas e se unir a um governo presidido por ele, informou a versão digital do jornal "Yedioth Ahronoth".

"Recebemos um mandato do povo. Devemos nos dirigir a nossos parceiros naturais e, depois, tentar expandir o governo", disse Netanyahu aos deputados, aos quais assegurou que "não haverá alternância" de poder, uma possibilidade levantada pelos analistas e que não é inédita em Israel.

Segundo analistas, Netanyahu é apontado como o político mais bem posicionado para formar uma nova coalizão de governo, apesar de o Kadima ter obtido uma cadeira a mais no Parlamento.

Os resultados, que serão conhecidos oficialmente na quinta-feira, dão ao Kadima 28 deputados (contra 29 atualmente) e 27 ao Likud (contra 12). O partido de extrema-direita Israel Beiteinu subiu de 11 para 15 cadeiras, enquanto o Partido Trabalhistas caiu de 19 para 13 e o ultraortodoxo Shass elegeu 11 deputados, contra 12 atualmente.

Nesta quarta, Netanyahu iniciou as negociações para liderar uma coalizão e se reuniu com o dirigente do Shas, Eli Yishai. Mais tarde, se encontrou com o líder ultranacionalista Avigdor Lieberman, do Israel Beiteinu, partido que pode ser crucial para formar alianças e que poderia dar a chefia do governo tanto a Netanyahu como a Livni.

Presidente decide

Sem os resultados definitivos, o fim da incerteza ficará a cargo do presidente Shimon Peres, que designará o deputado com mais possibilidades de formar o governo. Com os dois lados se considerando vencedores, dirigentes dos dois partidos mais votados se mostraram confiantes.

"Acredito que o presidente escolherá Benjamin Netanyahu porque dispomos de uma maioria clara", afirmou o líder da bancada do Likud, Gideon Saar.

"O presidente designará Tzipi, que depois se dirigirá ao Likud, a Lieberman e aos trabalhistas para constituir um governo de unidade nacional", rebateu Haim Ramon, vice-premiê e integrante do Kadima.

A rádio militar anunciou que o presidente Shimon Peres iniciará as consultas com os líderes de lista na próxima semana, após a validação dos resultados oficiais. "Ele decidirá quem ficará encarregado de formar o governo em função do número de deputados e das possibilidades do candidato de constituir uma coalizão", declarou o porta-voz da presidência, Ayelet Frish.

Nahum Sirotsky, correspondente do iG, comenta a situação política:

Leia também:

Opinião:

    Leia tudo sobre: israel

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG