Neta de Mussolini afirma que ditador não odiava homossexuais

Roma, 27 jul (EFE).- A deputada Alessandra Mussolini afirmou neste domingo que seu avô, o ditador italiano Benito Mussolini, não odiava os gays, apesar de, durante o fascismo, cerca de 10 mil homossexuais terem sido expulsos do país.

EFE |

Em uma entrevista disponibilizada no site do jornalista Klaus Davi, Alessandra acrescenta que sua família tinha "muitas relações de amizade com homossexuais" e que "os melhores amigos de sua tia Edda (filha de Mussolini) eram gays".

Alessandra, cujo partido faz parte da coalizão governista de Silvio Berlusconi, acrescentou que, apesar da deportação de milhares de homossexuais italianos, não é possível classificar sua família de homofóbica.

As declarações da deputada provocaram a indignação dos grupos homossexuais, que lembraram que o ditador italiano (1883-1945) aprovou as leis raciais, em virtude das quais judeus e milhares de homossexuais foram perseguidos.

"Muitos dos homossexuais perseguidos foram enviados para ilhas e separados do resto dos prisioneiros porque eram considerados indignos", disse Aurelio Mancuso, o presidente da associação italiana de homossexuais Arcigay, EFE ccg/fh/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG