decisão das autoridades de Taiwan de retirar de venda alguns de seus produtos lácteos, uma vez que o ministério da Saúde desse país afirmou que o consumo dos mesmos não representava perigo para a saúde." / decisão das autoridades de Taiwan de retirar de venda alguns de seus produtos lácteos, uma vez que o ministério da Saúde desse país afirmou que o consumo dos mesmos não representava perigo para a saúde." /

Nestlé questiona a retirada de venda de alguns de seus produtos em Taiwan

O grupo suíço Nestlé indicou nesta quinta-feira que não consegue compreender ahttp://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/10/02/taiwan_proibe_seis_produtos_lacteos_nestle_com_indicios_de_melamina_1967447.html target=_topdecisão das autoridades de Taiwan de retirar de venda alguns de seus produtos lácteos, uma vez que o ministério da Saúde desse país afirmou que o consumo dos mesmos não representava perigo para a saúde.

AFP |

O ministro da Saúde de Taiwan, Yeh Ching-chuan, informou sobre a proibição da venda dos produtos da Nestlé após a descoberta de que continham resíduos de melamina, embora a quantidade fosse mínima.

"Os produtos acusaram positivo com níveis muito reduzidos de melamina e foram retirados das prateleiras", anunciou o ministro.

Os seis produtos afetados, fabricados pela Shuangcheng Nestlé Co, com sede em Heilongjiang e vendidos pelas marcas Nestlé e Klim, incluem leite infantil e laticínios para idosos, de acordo com o ministério.

No entanto, o ministério informou ao público que os pequenos níveis de melamina encontrados nos produtos não representam risco para a saúde.

A Nestlé Taiwán imediatamente afirmou que não adiciona melamina a seus produtos e atribuiu os resíduos encontrados aos que existem no meio ambiente.

Em função disso, a Nestlé mundial emitiu uma nota afirmando não entender a decisão de retirada de venda, uma vez que "o próprio ministério da Saúde de Taiwan confirmou que esses produtos não representavam perigo, segundo as normas internacionais".

O índice de melamina encontrado nos produtos em questão é "tão ínfimo que existe certamente em todos os produtos alimentícios do mundo", enfatiza o grupo.

A Nestlé destaca que o índice de melamina aceitado pelas autoridades de Taiwan é 50 vezes inferior à norma internacional e que nenhum de seus produtos lácteos fabricados na China foi contaminado pela substância.

Apesar disso, Hong Kong e Indonésia também retiraram alguns produtos da Nestlé.

Hong Kong o fez devido a "resíduos" descobertos em um lote de leite "Dairy Farm UHT Pure Milk" e a Indonésia por medida de precaução antes de realizar testes.

Na véspera, o governo da China anunciou, ao fim de uma investigação nacional, ter detectado a presença de melamina 31 produtos a base de leite em pó, ou seja quase 12% dos 265 produtos investigados.

Leite adulterado

Muito antes de a crise eclodir, em meados de setembro, jornalistas chineses tentaram sem sucesso investigar os casos de bebês hospitalizados com misteriosos problemas renais, segundo diversos testemunhos da imprensa e de organizações não-governamentais.

Segundo uma denúncia da imprensa, as autoridades chinesas foram informadas há várias semanas sobre o leite adulterado, mas resolveram acobertar o escândalo por causa da realização dos Olímpicos.

O número de crianças doentes na China disparou em poucos dias, chegando a 53.000. Quatro bebês morreram. A primeira morte havia ocorrido no dia 1o de maio.

Segundo a agência responsável pelo controle de qualidade, os produtos procedem de 20 empresas. Um total de 154 fabricantes foram investigados, o que representa 70% do mercado chinês de leite em pó.

A melamina é uma substância tóxica utilizada na fabricação de colas e resinas. Quatro bebês morreram e mais de 50.000 crianças tiveram problemas reinas após ingerir a substância.

A adição deste produto químico faz com que o percentual de proteínas do leite pareça mais elevado e oculta a adição de água na bebida.

Leia mais sobre leite adulterado

    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG