KATMANDU - Centenas de exilados tibetanos, incluindo freiras e monges, gritaram slogans contra a China e entraram em choque com a polícia em Katmandu nesta quinta-feira, depois foram forçados a entrar em caminhões e levados para centros de detenção, informou a polícia do Nepal. Cerca de 600 manifestantes foram detidos por tentar invadir um escritório de concessão de vistos na embaixada chinesa, mas não ficou claro se ele foram indiciados.

Reuters
Reuters
Policial nepalense puxa manifestante
pelo cabelo ao prendê-lo
Os tibetanos exilados no Nepal, estimados em cerca de 20 mil, estão protestando quase diariamente em Katmandu desde que em março a China usou de força para subjugar distúrbios no Tibete.

Gritando slogans como 'Longa vida para o Dalai Lama' -- o líder espiritual do Tibete -- e Abaixo Hu Jintao', presidente chinês, os manifestantes entraram nesta quarta-feira em um breve choque com a polícia.

'Queremos um Tibete livre', gritavam ao serem conduzidos aos centros de detenção.

Alguns exilados, incluindo mulheres, choravam quando a polícia os forçou a entrar nos caminhões.

O Nepal considera o Tibete parte da China, que é um doador importante de ajuda ao país, e não permite manifestações anti-China por parte dos tibetanos que fugiram de sua terra natal depois do fracassado levante de 1959 contra o domínio chinês.

Na Índia, a polícia prendeu 30 tibetanos nesta quarta-feira no Estado himalaio de Himachal Pradesh quando eles se dirigiam à fronteira chinesa. Os detidos serão conduzidos a um juiz na quinta-feira, informou a polícia.

Leia mais sobre: Nepal - Tibete - China

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.