terremoto de 7 graus que devastou a capital Porto Príncipe. O Brasil comanda uma missão de paz na região." / terremoto de 7 graus que devastou a capital Porto Príncipe. O Brasil comanda uma missão de paz na região." /

Nelson Jobim chega ao Haiti para acompanhar trabalhos de resgate

PORTO PRÍNCIPE - O Ministro da Defesa do Brasil, Nelson Jobim, chegou na noite de quarta-feira ao Haiti para acompanhar de perto a situação do país atingido por um http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2010/01/13/terremoto+de+7+graus+provoca+mortes+e+destruicao+na+capital+do+haiti+9273080.htmlterremoto de 7 graus que devastou a capital Porto Príncipe. O Brasil comanda uma missão de paz na região.

iG São Paulo |

Com Jobim viajaram o comandante da Marinha, Almirante Júlio Soares de Moura Neto, o Comandante do Exército, General Enzo Martins Pery, o senador Flávio Arns (PSDB-PR), sobrinho de Zilda Arns, coordenadora da Pastoral da Criança, que morreu no terremoto, o secretário executivo da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Rogério Sotilli e representantes do Ministério da Saúde, do Ministério das Relações Exteriores e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).


Jobim chegou na noite de quarta-feira ao Haiti / Agência Brasil

Ajuda

Uma aeronave da Força Aérea Brasileira com 13 toneladas de suprimentos partiu do Rio de Janeiro na noite de quarta-feira e deve chegar ao Haiti na manhã desta quinta.

Um outro avião da FAB deve seguir para a capital haitiana, Porto Príncipe, levando profissionais da Defesa Civil do Rio de Janeiro e cães farejadores para ajudar nas buscas por sobreviventes e corpos. Também serão levados alimentos, remédios e água.

O goveno brasileiro montará ainda um hospital de campanha no país caribenho para ajudar no atendimento de feridos. Cerca de 40 pessoas, entre médicos da Aeronáutica e voluntários, já estão a postos no Brasil para embarcar ao Haiti. Os três principais hospitais da cidade ruiram com o terremoto. Pacientes, médicos e enfermeiros foram soterrados.

Também na quarta-feira, o Brasil anunciou uma ajuda de US$ 15 milhões. Além disso, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em conversa por telefone com o presidente dos EUA, Barack Obama, propôs uma reunião do grupo de países empenhados em ajudar na reconstrução do Haiti, devastado por um forte terremoto.

"Propus ao presidente Obama que o Brasil está disposto a participar, junto com os EUA e a ONU, na coordenação de uma reunião dos países doadores, para que a gente possa agilizar logo o que seja necessário de recursos para recuperar o Haiti", afirmou Lula a jornalistas após conversar com Obama. Não foram fornecidos mais detalhes sobre a reunião.

Os primeiros aviões com ajuda, provenientes da Venezuela, da China e dos Estados Unidos, começaram a desembarcar no aeroporto de Porto Príncipe na noite desta quarta-feira .

Equipes de outros países como Grã-Bretanha, França, Dinamarca, Cuba, México, entre outros, devem chegar à capital nesta quinta-feira.

Socorro urgente

Soldados da força de paz da ONU, que já tinham um papel-chave em manter a ordem pública no Haiti mesmo antes do terremoto, têm sido deslocados para controlar focos de intranquilidade, em meio a relatos de saques.

A organização não governamental Médicos Sem Fronteiras (MSF) relatou um "fluxo enorme" de pessoas feridas, muitas delas em estado grave, a clínicas improvisadas.

Segundo o porta-voz da MSF no Canadá, Paul McPhun, pacientes com "traumas graves, ferimentos nas cabeças, membros esmagados" têm buscado ajuda nas estruturas provisórias montadas pela organização.

Apesar disso, ele disse que os médicos da ONG têm apenas a capacidade de oferecer aos pacientes cuidado médico básico. Uma das clínicas de emergência da MSF desmoronou com o tremor e duas outras foram gravemente danificadas e não podem ser usadas.

Hans van Dillen, membro da MSF em Porto Príncipe, relatou que há "centenas de milhares de pessoas dormindo nas ruas porque não têm para onde ir".

"Vemos fraturas expostas, ferimentos na cabeça", disse ele em um relato publicado no site da MSF. "O problema é que não podemos encaminhar as pessoas para o atendimento médico adequado neste momento", afirmou.

* Com informações da Agência Brasil

Leia também:

Leia mais sobre terremoto

    Leia tudo sobre: haititerremototerremoto no haiti

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG