Tamanho do texto

As neogociações da Rodada Doha entram em uma fase decisiva neste domingo, quando os 30 ministros da Organização Mundial do Comércio (OMC) reunidos em Genebra voltam a debater o último pacote de propostas elaborado pelo diretor geral da organização, Pascal Lamy. Depois de um sábado dedicado a reuniões entre os distintos grupos aliados, a expectativa é de que algumas delegações proponham novas cifras para os pontos mais polêmicos nos capítulos agrícola e industrial.

O chanceler brasileiro, Celso Amorim, se disse satisfeito com a proposta que está no papel, que prevê redução média de 54% nas tarifas de importação sobre produtos agrícolas aplicadas pelos países emergentes e limita a proteção a 14% dos setores sensíveis, que poderiam ter um corte menor.

Mas Amorim está tendo trabalho para convencer seus principais parceiros no G20, Argentina e Índia, a ser flexíveis. A Argentina considera que a redução de tarifas exigida prejudicará sua indústria e exige poder proteger até 16% dos produtos.

Por sua parte, a Índia não está satisfeita com os critérios estabelecidos para a aplicação das chamadas salvaguardas especiais, que permitiriam ao países em desenvolvimento proteger-se de aumentos muito elevados nas importações de alimentos.

Paraguai e Uruguai, que destinam a maior parte de suas exportações agrícolas a outros países em desenvolvimento, são contra essa facilidade.

Conciliação

O comissário de Comércio da União Européia, Peter Mandelson, irá à reunião deste domingo pressionado pelos governos de alguns dos países chave do bloco, como a França e a Irlanda, que consideram os números de Lamy "desequilibrados" em relação ao que é pedido e oferecido.

Ao aceitar limitar seus subsídios internos em US$ 14,5 bilhões, os Estados Unidos consideram que já deram sua contribuição para o acordo.

Além da série de consultas bilaterais, os resultados da reunião de sábado sobre a abertura dos mercados de prestação de serviços podem facilitar o entendimento nessa próxima reunião.

Alguns diplomatas confiam que o ministro de Comércio indiano, Kamal Nath, adotará uma postura menos radical depois da promessa dos Estados Unidos de facilitar o acesso de profissionais altamente qualificados procedentes desse país a seu mercado de trabalho.

Neste domingo os negociadores também terão que conciliar os interesses dos países africanos, que pedem uma redução significativa nos subsídios dados pelos Estados Unidos a seus produtores de algodão e se opõem à oferta da União Européia de reduzir as tarifas de importação sobre a banana importada de países latino-americanos.

Uma nova proposta dos europeus considera que até 2016 as tarifas impostas aos produtores de banana da América Latina passem gradativamente dos atuais 176 euros a 114 euros por tonelada.

A iniciativa é criticada pelos produtores africanos, que se beneficiam de um sistema de preferências que permite que suas bananas entrem no mercado europeu isentas de tarifas.

Todas as peças desse quebra-cabeças terão que ser postas no lugar até a próxima quarta-feira, a nova data na qual as reuniões estão programadas para terminar. Isso se ninguém optar por abandonar o jogo antes.

Leia também:

Leia mais sobre Rodada Doha

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.