Negociação com as Farc para libertar reféns está avançada, diz senadora

A senadora colombiana Piedad Córdoba disse na noite de terça-feira que as negociações com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) para a liberação de dois militares reféns estão avançadas. Piedad afirmou que a confirmação do acordo, que tem a participação do Brasil, que vai coordenar a logística da operação, pode sair nos próximos dias.

EFE |

"Estamos esperando que as Farc publiquem um comunicado oficializando que aceitam o protocolo de segurança para as libertações e anunciem a data para realizar a operação", disse a senadora, na cidade de Villacencio, em ato de campanha para as eleições do dia 14 de março.

Piedad, que faz parte do bloco de oposição ao governo de Álvaro Uribe, disse que as Farc aceitaram o apoio logístico brasileiro e a participação da Igreja Católica e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) nas libertações do sargento Pablo Emilio Moncayo e do soldado Josué Daniel Calvo.

"Eles também aceitam a presença da (ONG) Colombianos e Colombianas pela Paz (CCP), que será representada por mim", disse a senadora, que acrescentou que, além disso, os guerrilheiros aceitam também o contato com Emperatriz de Guevara, que vai receber os restos mortais de seu filho, o major Julián Guevara, morto no cativeiro.

Também participará do processo o pai de Moncayo, Gustavo, conhecido como "o andarilho da paz".

A senadora explicou que a libertação deve acontecer três dias depois que forem divulgadas as informações sobre o local onde as Farc farão a entrega.

A guerrilha anunciou em abril do ano passado que entregaria Moncayo, meses depois incluiu Calvo nas negociações e assegurou que também devolveria os restos de Guevara.

As declarações da senadora, que esteve presente em outras libertações, foram feitas horas depois que o Comissário para a Paz da Colômbia, Frank Pearl, desmentiu as informações divulgadas por parte da imprensa, que afirmou que uma delegação de técnicos brasileiros estaria no país antecipando questões logísticas para efetuar a operação.

Moncayo é o refém mais antigo em poder das Farc, desde dezembro de 1997. Calvo foi sequestrado em abril de 2009, enquanto Guevara morreu em cativeiro em janeiro de 2006, oito anos depois de sua captura pela guerrilha.

Leia mais sobre Farc

    Leia tudo sobre: farc

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG