Naufrágios podem ter deixado 80 migrantes mortos no Iêmen

Ministério do Interior confirma morte de 43 em um de dois barcos que viraram por fortes ventos na costa sul do país

AFP |

O naufrágio de dois barcos podem ter causado a morte por afogamento de 80 migrantes africanos, a maioria etíopes, na costa sul do Iêmen, informou nesta segunda-feira o Ministério do Interior. "O acidente foi provocado por fortes ventos e um tsunami que virou dois barcos que os levavam para a costa", destacou o ministério em um comunicado, citando a Guarda Costeira da cidade portuária de Áden, no sul do país.

Um barco com 46 migrantes, a maioria etíopes, "virou na região costeira da Província de Taez, e todos a bordo se afogaram, com exceção de três somalis que sobreviveram", acrescentou.

Outro barco levando "entre 35 e 40 passageiros, todos etíopes, incluindo mulheres e crianças" partiu da costa da Província de Lahij, também no sul, acrescentou a fonte. "O que aconteceu com seus passageiros ainda é incerto", continuou, afirmando que as buscas continuam, mas sem especificar em que dia os incidentes ocorreram.

Anualmente, dezenas de milhares de etíopes e somalis fazem a perigosa travessia para o Iêmen na esperança de escapar da privação econômica, de perseguição e conflitos em seus países de origem.

Muitos costumam morrer a bordo de embarcações superlotadas e malconservadas, enquanto outros,  enfraquecidos por longas viagens do interior até a costa, morrem nas mãos de traficantes inescrupulosos.

Geralmente os migrantes chegam de barco ao sul do Iêmen, um dos países mais pobres do mundo, antes de seguir para a fronteira com a Arábia Saudita, rica em petróleo.

O Alto Comissário para Refugiados das Nações Unidas disse em abril que o êxodo de somalis através do Golfo de Áden havia diminuído dramaticamente desde o começo de 2010, apesar da violência recorrente na Somália.

    Leia tudo sobre: iêmensomáliaetiópia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG