Naufrágio na Itália pôs fim à celebração de bodas de ouro de brasileiros

Cinco de 17 integrantes da mesma família desembarcaram hoje em Fortaleza; segundo estudante, 'a melhor coisa é estar em terra'

Daniel Aderaldo, iG Ceará |

O naufrágio de sexta-feira do navio Costa Concordia pôs fim à comemoração das bodas de ouro (50 anos de casamento) dos avós da namorada do cearense Plínio Ramos, que chegou na manhã desta segunda-feira com outros quatro sobreviventes ao Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza. “A melhor coisa é estar em terra”, resumiu o estudante, que viajava com 16 integrantes de uma mesma família, ao desembarcar.

Número de mortos: Equipes encontram corpo de sexta vítima de naufrágio na Itália

AE
Brasileiras que sobreviveram a naufrágio de navio na Itália desembarcam no aeroporto de Fortaleza, Ceará
Investigação: Operadora do Costa Concordia afirma que comandante errou

Com mais de 4 mil passageiros, a embarcação tombou após colidir com uma rocha na região da ilha de Giglio (Toscana), na costa da Itália, deixando ao menos 6 mortos e 29 desaparecidos.

Com fisionomia que aparentava cansaço, sem bagagens e apenas com a roupa do corpo, o grupo de cinco brasileiros desembarcou às 10h20 (horário de Brasília) e tentou evitar falar com imprensa. Plínio foi o único a dar uma declaração enquanto caminhava em direção ao estacionamento do aeroporto.

O estudante estava no navio acompanhando a namorada, a estudante Lia Aragão, de 17 anos, que viajava no Costa Concordia com grande parte da família, celebrando as bodas de seus avós maternos Celeste Bezerra e Pedro Jorge Bezerra.

Às 20h, mais cinco brasileiros chegaram ao aeroporto em Fortaleza, vindos do Recife, mas não quiseram falar com a imprensa.

Entre esses cinco brasileiros estavam o casal que comemorava bodas de ouro e um de seus filhos.

Enquanto conversava com parentes que a receberam no local, a empresária Leila Pinto chegou a fazer críticas em voz alta à empresa responsável pelo cruzeiro e às autoridades da Itália. Os brasileiros saíram do navio em botes e relataram que passaram fome e frio após o resgate.

O pai de Lia, o representante comercial Evandro Aragão, contou ao iG que soube do naufrágio pela própria filha, por telefone, na mesma noite do acidente. Segundo ele, todo o dinheiro da família estava guardado em cofres do navio. Eles voltaram ao Brasil com roupas doadas pelo Consulado-Geral do Brasil em Milão, afirmou.

Os sobreviventes retornaram ao Brasil em um voo da TAP que partiu no domingo de Lisboa. Inicialmente, era previsto que os 17 membros da mesma família viajassem no mesmo avião. Eles desembarcaram em Recife, onde passaram a noite em um hotel. Mas apenas cinco deles foram para Fortaleza no primeiro voo da manhã.

História: Veja os principais naufrágios dos últimos cem anos

Ameaça: Naufrágio na costa italiana traz 'grande risco' ambiental, diz ministro

De acordo com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), o restante do grupo deve chegar à capital cearense no decorrer do dia. Antônio Coelho Cardoro, tio de uma das vítimas, informou que outro grupo embarcará para casa às 20 horas (horário de Brasília). “Eles estavam cansados e preferiram ficar em Recife repousando antes de voltar”, explicou.

    Leia tudo sobre: naufrágioitáliacosta concordia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG