Natasha terá que aprender a viver com os humanos

TCHITA - A menina de cinco anos encontrada latindo e pulando em um apartamento decrépito segunda-feira, na Sibéria, brinca com as outras crianças, mas não fala, e se comporta como um animal, relataram os psicólogos agora responsáveis por ela.

AFP |

Abandonada por seu pai e seus avós, que viviam no mesmo apartamento em Tchita, cresceu junto com os cães e gatos da família, e passou a reproduzir o comportamento dos animais.


Natasha pasas bem, dizem os médicos / AFP

Quando foi encontrada, "pulou em cima dos policiais, como um cachorrinho", tentando se comunicar com "a linguagem dos animais", contou a polícia local.

Levada para uma instituição, onde recebe ajuda médica e psiquiátrica, a criança, que praticamente nunca tinha saído do apartamento onde vivia, está descobrindo, aos poucos, a vida com os humanos. Porém, alguns de seus comportamentos continuam sendo os de um animal.

"Ela não usa talheres para comer. Quando lhe damos uma colher, ela a ignora e come diretamente com a boca", relatou Nina Emelshugova, funcionária do estabelecimento, à rede de TV russa Rossia.

"Na hora de brincar, ela imita o que vê. Ela tinha muito mais contato com animais do que com humanos", acrescentou outro colaborador da instituição, citado pela agência Interfax.

Este colaborador se recusou, porém, a considerar Natasha como uma "menina-animal". "Ela anda como uma criança normal, e suas atitudes semelhantes as de cães e gatos são frequentes, mas não constantes. Ela mostra, por exemplo, como colocar uma panela no fogão e acender o gás", afirmou.

De acordo com os médicos que a examinaram, a menina não está muito atrasada em termos de desenvolvimento psíquico, mas tem a aparência física de uma criança de dois anos.

"Outros exames médicos serão realizados, mas ela está bem. O único problema é que com cinco anos de idade, ela ainda não fala", declarou a diretora da instituição, Tatiana Missnik, à agência Ria Novosti.

Depois da descoberta da menina, o pai, de 27 anos, foi multado por negligência e a mãe, que vive em outro lugar com outro filho, recebeu uma advertência.

O apartamento onde morava a família parecia um lixão, com um monte de objetos diversos, detritos e louça suja em todos os cômodos, segundo imagens mostradas pela TV russa.

Socialização

Para a pequenina, o caminho da socialização deverá ser longo.

"Vamos torcer para que ela consiga ter uma vida normal", disse o diretor adjunto do Instituto psiquiátrico Serbski em Moscou, Evgueni Makushkin, ressaltando que o desenvolvimento psicológico destas crianças, muitas vezes traumatizadas, costuma ser complicado.

"Todas as funções motoras e de linguagem se desenvolvem nesta idade. Natasha vai precisar de um rigoroso programa de acompanhamento", acrescentou.

O caso de Natasha não é isolado. Desde 2003, uma dezena de histórias semelhantes foram registradas na Rússia, com crianças, maltratadas ou abandonadas pelos pais, andando ou se comunicando como cães e gatos.

Leia mais sobre Rússia

    Leia tudo sobre: rússia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG