MADRI (Reuters) - Autoridades espanholas noticiaram na terça-feira o nascimento do primeiro bebê selecionado geneticamente no país para curar uma doença de outra pessoa - no caso, seu irmão de 6 anos, vítima de uma grave doença hereditária. Javier, de 3,4 quilos, nasceu no domingo no Hospital Universitário Virgem do Rocio e não tem a doença do irmão, uma grave anemia congênita chamada beta-talassemia maior. O sangue do seu cordão umbilical será usado em transfusão para ajudar o irmão.

Em quatro ou cinco anos, Andrés, o irmão maior, poderá voltar a ser uma criança normal, livre das freqüentes transfusões às quais é obrigado.

"A perspectiva é que se curará, com alta probabilidade", disse o médico Guillermo Antiñolo, chefe de Genética, Reprodução e Medicina Fetal do Hospital Virgem do Rocio, à rádio pública espanhola.

A talassemia maior se caracteriza por anomalias na produção de hemoglobina, o que provoca diminuição do oxigênio no organismo, a partir dos 6 meses de idade. Sem tratamento, a doença leva à morte em poucos anos.

Javier é o oitavo bebê nascido na Andaluzia sem doenças hereditárias graças ao Diagnóstico Genético Pré-Implantatório (DGP). É o primeiro, no entanto, com compatibilidade com o irmão.

"É o segundo caso no mundo para esta enfermidade em concreto no qual o bebê é doador para curar um familiar", disse Antiñolo.

O DGP é um procedimento previsto na Lei de Reprodução Humana Assistida, aprovada em 2006, e oferecido gratuitamente pelo sistema de saúde da Andaluzia em casos de risco para a criança.

"Ouvimos falar na televisão das células-mãe, e a partir daí fomos nos informando...até que o hematologista do menino o mandou para onde tinha que mandar, e aí nos chamaram", disse Soledad, mãe de Javier e Andrés.

O DGP pode ser aplicado para doenças como fibrose cística, hemofilia A e B, distrofia muscular e mal de Huntington, entre outras.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.