Mais armas americanas para viabilizar paz com palestinos

Obama teria pedido verba de US$ 2,7 bilhões para ajudar Israel

Nahum Sirotsky, de Israel |

Os americanos imaginam expandir o programa de ajuda a Israel como meio de viabilizar o processo de paz. Andrew Shapiro fez tal revelação em palestra aos Brookings, que inclui o Centro Saban dedicado aos problemas do Oriente Médio.

Shapiro informou que Obama já pediu autorização do Congresso para uma verba de US$ 2,7 bilhões e   reforço dos fundos de assistência aos programas de segurança do país. Ao que se sabe, representa o maior valor para tais obetivos jamais requisitados. Nos Estados Unidos o presidente só aplicam recursos previamente autorizados pelo Congresso.

A importância da decisão mede-se pelo destaque atribuido à informação pela mídia local e sua motivação de dar a Israel melhores condições para fazer concessões aos palestinos. ”É a esperança que um maior apoio americano tornará mais possivel decisões que ajudem aos israelenses assumirem as difíceis decisões necessárias ao sucesso do processo de paz “, disse Shapiro. E reafirmou que o “comprometimento americano com o direito de Israel existir é inquestionável. Paz alguma durável será possivel sem que tal fato - a decisão americana - seja assimilada”.

O diplomata que falava pelo seu governo acrescentou que o apoio americano é mais do que atitude de amigo. "Implica em reforço à segurança nacional americana".  Pelo que foi divulgado, Shapiro afirmou que “Israel enfrenta hoje alguns dos mais difíceis desafios de sua existência”, e que “o foco americano na questão de Israel justifica-se pela crescente complexidade das ameaças com as quais se depara". Ele se referiu ao progresso iraniano no seu programa nuclear e que ”Irã e Síria são ameaça convencional”.

O secretário assistente enfatizou que, além das ameaças citadas, existem as assimétricas representadas pelos arsenais do Hizbala e Hamas de mísseis já apontados para os centros habitacionais israelenses, sustentados por contrabando originado em Teerã e Damasco e dificultam esforços de se chegar a uma paz. Os americanos pretedem fortalecer a força aérea com aviões mais atuais, excercícios conjuntos, pesquisa e desenvolvimento de armas.

Sistemas de tetos de ferro ajudarão a proteger cidades, intercâmbio de informações entre forças militares ocorrem semanalmente. Ele afirmou que nada disso garante a solução do conflito.Depende dos lados se entenderem. E disto não há sinal.

Nestes dias os judeus recordam Tisha Be AV, do calendário, que lamenta as destruições dos Templos de Salomão e Herodes culminando na destruição de Jerusálem pelas legiões romanas e o exílio. Fazem milhares de anos.

    Leia tudo sobre: Israelestados unidospazpalestinaarmas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG