FAO prevê conflitos por falta de alimentos

Grãos devem ter variações no preço devido às mudanças climáticas

Nahum Sirotsky, de Israel |

Naturamente concentrados nas eleiçãos não atentamos para mais nada, mas a Organização de Alimentação e Agricultura (FAO) prevê uma grande instabilidade na oferta e preços de alimentos. Abdolreza Abbassian, economista da organização, afirma que a combinação de psicologia e expectativa pode provocar choques em muitos países. Em Moçambique já morreu gente pelo aumento de 30% no preço do pão devido ao preço do trigo resultante das quebras de safras da Rússia e outras nações produtoras, consequentes de secas e efeitos sobre oferta e preços.

A FAO afirma que em agosto passado foi acentuado os aumentos nos preços de alimentos. Há muita gente que lembra o que aconteceu há anos. A falta. O desespero. Estamos, o que é normal, tão concentrados nas eleições que não prestamos atenção a tal fato. Mas no próximo dia 24 haverá reunião dos especialistas mundiais na questão de grãos para discutir a oferta. Vão examinar a instabilidade climática e efeitos sobre colheitas. Quais as perspectivas? O que pode ser feito?

A Rússia sofreu de seca, mas outros grandes produtores de grãos como Canadá e Alemanha, de excesso de chuvas e enchentes. A FAO afirma que as colheitas na Argentina e talvez na Austrália tendem a sofrer de secas. O clima não corresponde ao tradicional. Faz o que quer. Os pobres do mundo tendem a sofrer de preços mais altos do pão.

Abassian diz que em geral os preços de alimentos estão no momento inferiores a 2008. Naquele ano, é bom lembrar, em certos países o preço do arroz, seu alimento básico, triplicou provocando até queda de governos. A coragem provocada pela fome é mais forte do que qualquer lei. Em agosto a Rússia previu a perda de um quinto de sua colheita o que bastou para dobrar o preço do trigo. A região do Mar Negro-Ucrania, Kasakstan e Rússia, garantia 30% da oferta mundial que sofre a quebra. Em defesa do consumidor russo o governo de Moscou suspendeu as licenças de exportação até 2011. A FAO diz que americanos, Europeus e Australianos poderão cobrir a diferença. Mas existe o efeito psicológico das más noticias da Rússia que faz com que se espere falta.

A FAO diz que não é simples mudar efeitos de expectativas. Aí entram os efeitos da crise financeira. Os investidores estão aplicando e armazenando grãos em lugar de moeda ou papéis. Estão especulando. O povo vai pagar.

Não é só. O professor Pinstrupo-Andersen, especialista em agricultura da Universidade Americana de Cornell, prevê que sofreremos grandes flutuações climáticas e por consequência da oferta de alimentos. “Vamos ter de conviver com flutuações nos preços”, afirma.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG