Acordo nuclear é ponto para o Irã

Negociação com Brasil e Turquia deve no mínimo atrasar projeto de novas sanções ao país

Nahum Sirotsky, de Israel |

AFP
Lula, Ahmadinejad e Erdogan comemoram após anúncio de acordo em Teerã
O Irã obteve uma grande vitória ao aceitar o acordo de Brasil e Turquia neste fim de semana. O projeto é similar ao proposto pelos americanos há alguns meses e, portanto, para que os Estados Unidos o serão necessários novos e fortes argumentos.

Analistas israelenses avaliam que, se cumprido o acordo, durante um certo período o Irã terá um reduzido estoque de urânio enriquecido, necessário para produzir a bomba atômica. Mas o país não deixará de ter meios de enriquecer o material.

Pelo acordo, o Irã enviará urânio pobre à Turquia, que devolverá o material enriquecido a um nível apropriado apenas para a produção de energia elétrica. O Irã insiste que seu programa nuclear tem fins pacíficos, apesar das acusações das potências ocidentais de que seu objetivo é ter armas atômicas.

O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, acolheu o acordo com cautela, prevenindo que ele talvez seja insuficiente para satisfazer a comunidade internacional. Segundo ele, o Irã tem a aparente intenção de continuar a enriquecer urânico, por isso novas consultas poderão ser necessárias.

Já o ministro de Relações Exteriores da Turquia, Ahmed Davotoglu, foi enfático: “as sanções do Conselho de Segurança já não se justificam”, afirmou ele à agência oficial iraniana, Irna. Enfim, está criada a confusão que serviu para Lula demonstrar que o Brasil deve ser levado a sério como mediador.

Agora, o Irã precisa apresentar uma carta de intenções à Agência Internacional de Energia Atômica detalhando seu compromisso com a Turquia e o Brasil. Só então as potências ocidentais poderão analisar o acordo em profundidade e decidir o que fazer.

De qualquer forma, é provável que seja adiada a apresentação do projeto de sanções que vinha sendo detalhado pelos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU. O tamanho da mudança ainda não é claro, mas o jogo já não é o mesmo de antes.

    Leia tudo sobre: irãbrasilturquiaisraelquestão nuclear

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG