Resolução sobre Estado palestino e crise russa elevam tensão no Oriente Médio

Por Nahum Sirotsky - Correspondente em Israel | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

União Europeia recomenda criar um Estado para os palestinos; queda no preço do petróleo em Moscou afeta as nações árabes

Na última quarta-feira (17), a União Européia recomendou a todos os seus países membros que aprovem a criação de um Estado Palestino.

Gaza: Reconhecimento moral do Estado Palestino reaviva negociações por paz

Reuters
Presidente palestino Mahmoud Abbas durante reunião com o enviado das Nações Unidas no Oriente Médio Robert Serry na cidade de Ramallah, Cisjordânia (6/07)

Dia 4: Protestos no Egito e demissões no governo de Israel sacodem o mundo árabe

Não está clara ainda, porém, qual a força política dessa medida. Se a resolução tiver efeito mandatório, as consequências sobre as relações de Israel com o mundo em geral serão péssimas. Na Assembléia Geral das Nações Unidas, já existe apoio de mais de 120 países à proposição palestina. O Conselho de Segurança ainda não se manifestou decisivamente sobre o assunto.

No Oriente Médio, rico em história, nunca faltaram problemas. Por exemplo, toda a região está sendo afetada pela crise econômica russa com a queda violenta dos preços de petróleo e gás, produtos vitais para o mundo árabe e muçulmano.

Afirma-se que o Banco Central da Rússia está emitindo milhões de moedas para compensar e, evidentemente, assegurar o futuro do presidente Vladimir Putin à frente da nação. É óbvio que as exportações de óleo do Brasil serão atingidas, com efeitos internos. Provavelmente, também os comércios europeu e norte americano.

Esta nossa era, de avanços tecnológicos e científicos, é muita complicada em sua administração. Toda a sabedoria criada para facilitar o desenvolvimento não consegue, porém, evitar essas crises econômicas.

*Colaborou Nelson Burd

Leia tudo sobre: nahum sirotskyuniao europeiaonuconselho de segurancarussia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas