Sequestro de adolescentes israelenses aumenta tensão com palestinos

Por Nahum Sirotsky - correspondente em Israel |

compartilhe

Tamanho do texto

Se jovens estiverem mortos, opinião pública de Israel vai exigir vingança à altura da tradição do olho por olho, dente por dente

Só mesmo o leitor da Bíblia sabe que, naqueles tempos, apenas o homem, com seus olhos e intuições, observava os fenômenos. E foi então que o babilônio de nome Abraão, segundo a tradição, teve a primeira intuição da existência de um Deus único, em um ambiente em que a tribo dele tinha vários deuses.

Passados mais de 4 mil anos, os céus estão cobertos de satélites, que observam e até fotografam tudo o que acontece na Terra. Mas o avião da Malásia, que desapareceu sem deixar sinais, não foi visto por ninguém. Até agora, é um grande mistério.

Dia 27: Israel aponta dois militantes do Hamas como principais suspeitos em sequestro

Iluminador do Exército de Israel explode sobre a fronteira entre Israel e Gaza (7/7). Foto: APAções contra Gaza ocorreram em retaliação a ataques com foguetes contra Israel no domingo (7/7). Foto: AFPTariq Abu Khdeir, cidadão dos EUA que parentes dizem ter sido espancado e preso por policiais israelenses durante confrontos desatados pela morte de Mohammed Abu Khdeir (6/7). Foto: APMilitantes palestinos seguram armas durante coletiva na cidade de Gaza (5/7). Foto: ReutersSuha, mãe de Mohammed Abu Khudair, mostra foto do filho no celular em sua casa em Shuafat, subúrbio árabe de Jerusalém (2/7). Foto: ReutersPalestino usa um estilingue para atirar  pedra em direção à polícia israelense durante confrontos em Shuafat, subúrbio árabe de Jerusalém (2/7). Foto: ReutersPrimeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu (D), é visto perto de pais de adolescentes encontrados mortos na Cisjordânia (1/7). Foto: APIsraelense chora durante funeral de três adolescentes israelenses encontrados mortos na Cisjordânia (1/7). Foto: APPalestino inspeciona danos causados na casa de Amer Abu Aisheh, um dos dois palestinos vistos por Israel como suspeitos pelo sequestro e morte de jovens, na Cisjordânia (1/7). Foto: APIsraelenses seguram bandeira com as fotos de três jovens israelenses que desapareceram na Cisjordânia em 12 de junho (29/6). Foto: APPalestinos mascarados simpatizantes do Hamas simulam a prisão de soldados israelenses durante ação em apoio aos palestinos na Cisjordânia (20/6). Foto: ReutersPalestinos se preparam para lançar pedras durante confrontos com soldados israelenses em Jenin, Cisjordânia (19/6)
. Foto: APParentes de palestino morto em ação de Israel choram na casa da família no campo de refugiados de Jalazoun, nos arredores de Ramallah, Cisjordânia (16/6). Foto: APPalestinos carregam corpo de jovem morto em operação de Israel no campo de refugiados de Jalazoun, nos arredores de Ramallah, Cisjordânia (16/6). Foto: APIsraelense chora durante preces em sinagoga por adolescentes desaparecidos na Cisjordânia (15/6). Foto: APFamília palestina observa soldados israelenses durante operação militar de busca por três adolescentes desaparecidos perto de Hebron, Cisjordânia (15/6). Foto: APSoldados israelenses prendem palestino na cidade de Hebron, Cisjordânia, durante buscas por adolescentes desaparecidos (14/6). Foto: APSoldados israelenses se posicionam perto da cidade cisjordana de Hebron enquanto buscam três adolescentes desaparecidos (13/6) . Foto: AP

No dia 13, três adolescentes deixaram sua escola de estudos religiosos judaicos e foram pegar carona ao sul de Jerusalém, onde param veículos que desejam ajudar os viajantes. Isso se faz há muitos anos, sem problema algum. Meninos a partir de 12, 13 anos, até professores, nunca sofreram coisa alguma. As caronas são sempre fiscalizadas por meios de observação e vigilância. Eles foram sequestrados na frente de outros que esperavam condução.

Um deles conseguiu mandar mensagem de texto pelo celular avisando que estavam sendo sequestrados. Desde então, as Forças Armadas e os serviços de segurança israelenses, com colaboração da Autoridade Palestina, varrem a Cisjordânia e nada encontram. Há rumor de que estariam escondidos em Gaza. Os mais pessimistas levantam a hipótese de assassinato.

Os objetos construídos pelo homem para observar tudo na terra não viram nada. Mas os religiosos judeus monoteístas, descendentes de Abraão, como os árabes, pedem ajuda ao Deus único. Enquanto o mistério permanecer, não haverá tranquilidade aos encarregados da segurança interna de Israel, que no momento aumentam sua vigilância aérea na fronteira.

Se os garotos tiverem sido mortos, a opinião pública vai exigir vingança à altura da tradição do olho por olho, dente por dente, nascida no Oriente Médio, há milhares de anos. Se estiverem vivos e bem escondidos, o grupo vai exigir libertação de prisioneiros palestinos, seus colegas de atividades.

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre a crise no Iraque

No entanto, atualmente, nada supera a preocupação americana e europeia com o avanço de militantes sunitas inspirados na Al-Qaeda na direção de Bagdá.

O secretário de Estado americano, John Kerry, está tentando obter ajuda militar dos vizinhos do Iraque. A maioria dos iraquianos é xiita e foge do inimigo que avança. Europa e EUAs não querem enviar tropas.

*Com colaboração de Nelson Burd

Leia tudo sobre: nahum sirotskyoriente médioiraqueisrael

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas