Campanha da Copa do Mundo não afasta 'fantasmas' do Brasil

Por Nahum Sirotsky - correspondente em Israel | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Violência nas cidades brasileiras é o maior problema dos jogos; promoção de armistício pelo 'bem do País' seria boa alternativa

Estava preparando texto com sugestões de Relações Públicas para a senhora presidente. A campanha publicitária da Copa é bem feita, porém não basta para afastar fantasmas criado pelos noticiários sobre violência nas cidades brasileiras. A jogada de sucesso em R.P. é aquela que provoca profundas mudanças.

Paradoxo: Desenvolvimento tecnológico contribui para o terrorismo

Agência Senado
Proposta de armistício deveria ser ponderada pela presidente Dilma Rousseff para a Copa do Mundo (7/05)


Confira outras notícias com Nahum Sirotsky

Provas da minha experiência nesse campo são assessorias que prestei a governadores, ministros e até presidentes. Minha sugestão seria a promoção de reuniões com as lideranças dos bandidos, propondo armistício, com a justificativa de contribuição deles para o bem do Brasil. Mas surgiu outro tema, de interesse mais abrangente.

Estudos realizados sobre crescente desemprego mundial, que o simples crescimento econômico não consegue reduzir, foram verificados por grupo de jovens professores universitários israelenses. Resultaria, principalmente, da velocidade de transformações do desenvolvimento tecnológico. A mão de obra sem especialidade está condenada a tentar sobreviver, com salários insuficientes, ou de programas de ajuda dos governos.

A oferta desse tipo é cada vez maior, em todos os níveis. O indivíduo se apresenta no mercado, por exemplo, como craque no uso do Facebook, e não demora muito para surgirem outras hipóteses. Não existirá emprego permanente, a não ser no serviço público, ou estatais, onde decisões são mais de ordem política, do que respostas efetivas às novas possibilidades de trabalho, que estão sempre em mudança.

Veja fotos dos protestos contra a realização da Copa do Mundo no País

Protesto contra a Copa do Mundo, em São Paulo, nesta quinta-feira (27). Foto: TIAGO CHIARAVALLOTI/FUTURA PRESSManifestante mascarado na linha de protesto contra a Copa do Mundo, em São Paulo, nesta quinta-feira (27). Foto: TIAGO CHIARAVALLOTI/FUTURA PRESSProtesto contra a Copa do Mundo, em São Paulo, nesta quinta-feira (27), na avenida Paulista. Foto: TIAGO CHIARAVALLOTI/FUTURA PRESSManifestantes fazem cordão ao lado de policiais durante protesto contra a Copa do Mundo, em São Paulo. Foto: TIAGO CHIARAVALLOTI/FUTURA PRESSProtesto contra a Copa do Mundo, em São Paulo, nesta quinta-feira (27). Foto: TIAGO CHIARAVALLOTI/FUTURA PRESSProtesto contra a Copa do Mundo realizado pelas ruas da cidade de São Paulo, nesta quinta-feira (27). Foto: TIAGO CHIARAVALLOTI/FUTURA PRESSProtesto contra a Copa do Mundo em São Paulo, nesta quinta-feira (27). Foto: Ana Flávia OliveiraNa esquina da av. Brigadeiro Luis Antônio com a rua Maria Paula, policial da Rocam observa a chegada dos manifestantes. Foto: Ana Flávia OliveiraFormação de policiais militares em frente a secretaria de Educação, na praça da República, em São Paulo. Foto: Ana Flávia OliveiraManifestantes passam em frente a Câmara Municipal de São Paulo, no centro da capital. Foto: Ana Flávia OliveiraManifestantes andam por ruas do centro da capital paulista, nesta quinta-feira (27). Foto: Ana Flávia OliveiraMalabarista na linha frente do protesto em São Paulo. Foto: Ana Flávia OliveiraRogério, de 29 anos, disse ser parte de um grupo que usa a tática black bloc e que protesta contra o superfaturamento dos estádios. Foto: Ana Flávia OliveiraManifestantes sentados na praça do Ciclista, durante leitura do manifesto que marcou o início da passeata. Foto: Ana Flávia OliveiraFaixa exibida durante protesto contra a Copa do Mundo em São Paulo, nesta quinta-feira (27). Foto: Ana Flávia OliveiraManifestantes durante concentração do 4º protesto contra a Copa do Mundo, em São Paulo. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloFaixa usada por manifestantes na capital paulista. Foto: Ana Flávia OliveiraCartaz contra a Fifa, durante o protesto em São Paulo. Foto: Ana Flávia OliveiraProtesto contra a Copa do Mundo em São Paulo, nesta quinta-feira (27). Foto: Ana Flávia OliveiraProtesto contra a Copa do Mundo em São Paulo, nesta quinta-feira (27). Foto: Ana Flávia OliveiraProtesto contra a Copa do Mundo em São Paulo, nesta quinta-feira (27). Foto: Ana Flávia OliveiraProtesto contra a Copa do Mundo em São Paulo, nesta quinta-feira (27). Foto: Ana Flávia OliveiraManifestantes produzem faixas e cartazes durante concentração na praça do Ciclista, na avenida Paulista. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloManifestantes se reúnem na praça do Ciclista, na avenida Paulista, na concentração do 4º protesto contra a Copa do Mundo. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloGrupo de manifestantes faz faixa durante concentração do 4º protesto contra Copa do Mundo em São Paulo. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloManifestantes se concentram na praça do Ciclista, no início da avenida Paulista, antes de sair em passeata. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloAntônio José da silva, 49 anos, é artesão
e vai a protestos desde 1982. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloPoliciais durante concentração do protesto contra Copa do Mundo, em São Paulo. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloEste é o terceiro protesto paulista com participação da chamada "tropa do braço" ou "tropa ninja". Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloPoliciais se concentram na região da avenida Paulista, nesta quinta-feira (27). Foto: Ana Flávia Oliveira

O indivíduo se forma em engenharia eletrônica e, ao terminar, recebe seu diploma. Os conhecimentos adquiridos são logo superados pela imaginação dos criadores de tecnologia. Precisa-se estar sempre estudando, atualizando seus conhecimentos, mesmo às custas de mudança de carreira.

O futuro tende a ser, como já é, um amiente instável, onde só aqueles atualizados nos seus conhecimentos encontrarão ocupação. Estamos vivendo a era pós industrial, onde todas regras anteriores estão sendo abandonadas pela necessidade imperiosa de renovação de produtos para sobreviver no mercado.

Produto siginifica tanto o objeto lançado, como por exemplo novos smartphones, com capacidade não imaginada pelo usuário de hoje. Outro exemplo: hoje, o político bem assessorado conecta os nomes dos usuários da rede social, com quem passa a se comunicar diretamente e economizará milhões, que se gasta em campanha eleitoral. Nesse mundo novo, que está nascendo, só terão oportunidades de realização pessoal aqueles com a capacidade necessária para estar dentro de tudo que está acontecendo.

O desemprego que existe hoje é, em grande parte, estrutural, e as ofertas de trabalho fechadas no mercado não serão nada semelhantes às que desapareceram. As estatísticas que contemplarão na indentificação da mão de obra preparada deste imensurável desafio. Espero que no Brasil existam indivíduos estudando este fenômeno. Porque, sem plena consciência da predominância das transformações, o país deixa de crescer.

*Com Nelson Burd

Leia tudo sobre: nahum sirotskycopa do mundorousseffbrasil

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas