Na reta final da campanha, McCain pede doações de emergência

O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, John McCain, fez um pedido por doações de emergência em um esforço para conquistar uma vitória surpresa nas eleições da próxima terça-feira. Eu estou pedindo por seu apoio financeiro hoje para nos ajudar a responder a ataques contra nós.

BBC Brasil |

Essa eleição não está definida e nós precisamos do trabalho duro de todos nos próximos dias para sairmos vitoriosos", escreveu McCain em um e-mail para seus simpatizantes.

O pedido foi feito um dia depois de o candidato democrata, Barack Obama, ter gasto cerca de US$ 5 milhões em comerciais de 30 minutos em três redes de TV americanas.

A última pesquisa nacional de opinião, realizada pela CBS e pelo New York Times, coloca o republicano 13% atrás do democrata Barack Obama.

Já pesquisas em Estados onde a disputa é normalmente acirrada entre democratas e republicanos - os chamados Estados-chave -, as diferenças entre os dois candidatos são bem menores.

Mas o editor da BBC para a América do Norte, Justin Webb, disse que as últimas pesquisas também sugerem que a popularidade da candidata a vice de McCain, Sarah Palin, está caindo: cerca de 59% dos entrevistados dizem que ela não está pronta para ser vice-presidente.

Pesquisas recentes da CNN/Opinion Research sugerem que Obama lidera com quatro pontos de diferença em Ohio, seis pontos na Carolina do Norte e sete pontos em Nevada, todos Estados conquistados por George W. Bush nas eleições de 2004.

Al Gore
McCain vem realizando campanha em Ohio, visto como um Estado que deve ser ganho se ele quiser ter alguma chance de vitória.

Já Obama fez campanha na Virgínia, Flórida e Missouri na quinta-feira.

O ex-vice-presidente e ex-candidato presidencial democrata Al Gore deve participar de um comício democrata nesta sexta-feira em Fort Lauderdale, na Flórida, com a mulher Tipper.

A Flórida, que decidiu a eleição de 2000 em favor do então oponente de Al Gore, George W. Bush, é um dos Estados que podem decidir a votação na terça-feira.

Nos comícios, os candidatos têm acusado um ao outro de ter beneficiado empresas petroleiras em detrimento de americanos da classe média.

McCain criticou o rival por votar a favor de um projeto de lei, em 2005, que previa redução de impostos para empresas petroleiras.

Obama disse que apoiou o projeto por também conter reduções fiscais para produtores de energia renovável e contra-atacou dizendo que McCain defende uma redução dos impostos corporativos.

Outro assunto que pode ganhar força na campanha de McCain são as alegações de que Obama teria escolhido um polêmico político de "esquerda" para ser seu chefe de gabinete, caso vença o pleito.

O político é o congressista Rahm Emanuel, de Illinois, que trabalhou com o presidente Bill Clinton. Correligionários de McCain dizem que Emanuel é um exemplo da "face real" de um eventual governo Obama: um governo de esquerda.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG