Nervosa antes de abrir Assembleia Geral, presidenta já alterou discurso várias vezes, segundo diplomatas brasileiros

A presidenta Dilma Rousseff fará nesta quarta-feira o discurso de abertura da 66ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), no qual pedirá uma articulação entre os países para superar a crise econômica global.

Diplomatas brasileiros na ONU disseram que Dilma está bastante nervosa para o discurso, que estaria sendo alterado o tempo todo. Este teria sido o motivo de o texto não ter sido divulgado com antecedência para a imprensa.

Assista aos discursos na Assembleia Geral da ONU (em inglês):

De acordo com diplomatas que estão acompanhando a presidenta em Nova York, Dilma deverá usar o discurso para argumentar que, com o agravamento da crise econômica mundial nos países em desenvolvimento, é absolutamente necessário reformar o Conselho de Segurança da ONU, criando novas cadeiras permanentes para países em desenvolvimento, como o Brasil, a Índia e a África do Sul.

Hoje, o Brasil ocupa um dos 15 postos rotativos no órgão, que tem como atribuição zelar pela manutenção da paz e da segurança internacional. Há cinco membros permanentes na instituição, com poder de veto: Estados Unidos, Rússia, China, França e Grã-Bretanha.

O diplomata disse que os quatro temas principais que Dilma quer defender durante a sua visita a Nova York são: a mulher e seus direitos, o reconhecimento do Estado palestino à ONU , a reforma do Conselho de Segurança e a necessidade de políticas ambientais.

Dilma será a primeira mulher a discursar na abertura do evento, a cargo do Brasil desde a 1ª Sessão Especial da Assembleia, em 1947. À época, coube ao diplomata brasileiro Oswaldo Aranha o discurso inaugural da sessão, tradição que se manteve desde então.

Antes da presidenta Dilma discursar, falam o Secretário Gertal da ONU, Ban Ki-Moon e o embaixador do Qatar, que está ocupando a presidência rotativa da Assembleia Geral. Depois da presidenta Dilma, será a vez do presidente americano Barack Obama.

O discurso de Dilma também representará sua estreia na Assembleia Geral e ocorrerá na véspera da primeira viagem oficial da presidenta à Europa. Ela deve passar os dias 4 e 5 de outubro em Bruxelas durante a Europalia, festival de artes que nesta edição homenageará o Brasil. Em seguida, deve ir à Bulgária, país onde seu pai nasceu, e à Turquia.

Com BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.