Na Mauritânia, Junta Militar se desculpa por reprimir protesto

Nuakchott, 17 mar (EFE).- O Alto Conselho de Estado mauritano, que controla o país desde o golpe de 6 de agosto do ano passado, apresentou hoje um pedido de desculpas pela ação da Polícia, que reprimiu um protesto pacífico de jornalistas.

EFE |

O ministro conselheiro da Presidência, Mohamed Abderahmane Ould Moine se desculpou aos jornalistas em nome do chefe da Junta Militar no poder, Mohammed Ould Abdelaziz.

O protesto foi realizado para pedir a libertação do jornalista Abbass Ould Braham.

Braham tinha escrito um artigo em um site da internet no qual comparava o secretário-geral da Junta, o coronel Ahmedou Bamba Ould Baye, ao ministro de Propaganda nazista, Joseph Goebbels. EFE er/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG