Na Jordânia, Obama reafirma que retirará tropas do Iraque

Amã, 22 jul (EFE).- O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, renovou hoje na Jordânia seu compromisso de retirar as tropas americanas do Iraque caso vença as eleições de novembro.

EFE |

Em coletiva de imprensa realizada em Amã, o senador americano, que destacou que a situação no Iraque melhorou nos últimos dois anos, insistiu em uma "retirada progressiva" uma vez que o Exército iraquiano tome o controle da segurança no país.

Logo após aterrissar em Amã, Obama, em declarações aos jornalistas que o acompanham em sua viagem e reproduzidas pela rede de TV "CNN", atribuiu a redução da violência no Iraque ao "grande esforço" das tropas americanas e na colaboração mostrada por líderes sunitas e pelas milícias leais ao líder xiita Moqtada al-Sadr.

"Há avanços quanto à segurança; agora precisamos de uma solução política", acrescentou o senador democrata.

Obama prometeu uma retirada das forças de combate dos EUA do Iraque em 16 meses caso venças as eleições, previstas para o próximo dia 4 de novembro.

Além disso, Obama, que antes de fazer escala na Jordânia visitou o Afeganistão e o Iraque, reiterou a necessidade de concentrar-se no reforço das tropas que Washington mantém desdobradas em território afegão para vencer os talibãs.

O senador democrata defendeu a importância de pressionar o Paquistão para que desempenhe um papel mais ativo na "guerra contra o terrorismo".

Além disso, sugeriu uma aproximação entre Paquistão e Índia que se traduza em um apoio às forças paquistanesas que controlam a fronteira com o Afeganistão.

Obama, que deve se reunir com o rei Abdullah II da Jordânia antes de continuar sua viagem regional para Israel e os territórios palestinos, comentou que, caso chegue à Casa Branca, trabalhará por uma paz entre israelenses e palestinos baseada na existência de dois Estados.

"Acho que a solução definitiva tem que envolver os países em paz e em segurança e que os israelenses e os palestinos têm que comprometer-se para alcançar uma solução que inclua a existência de dois Estados", disse Obama.

A imprensa jordaniana aponta que durante a reunião entre Obama e Abdullah II, o monarca hachemita expressará ao democrata seu desejo de que continue com o plano do presidente americano, George W. Bush, para o Oriente Médio, que também indica a coexistência pacífica de dois Estados, um israelense e outro palestino.

Além disso, os dirigentes jordanianos esperam conhecer de Obama as linhas gerais da política do Partido Democrata em caso de sua vitória do senador no pleito de novembro. EFE ajm/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG