Na Austrália, Papa ataca consumismo e secularismo

O papa Bento 16 criticou nesta quinta-feira o secularismo e o consumismo das sociedades modernas, ao ser acolhido na Jornada Mundial da Juventude que acontece em Sidney, na Austrália. Bento 16, que faz a nona viagem ao exterior de seu papado, chegou de barco ao subúrbio de Barangaroo, onde jovens de todo o mundo se reúnem para o encontro de cinco dias.

BBC Brasil |

Depois de elogiar a paisagem de Sidney e os recursos naturais da Austrália, o pontífice procurou alertar para a degradação ambiental causada, no seu entender, por um "consumismo insaciável" da sociedade moderna.

"Existem feridas que desfiguram a superfície da terra: a erosão, o desmatamento, o esbanjamento dos recursos minerais e marítimos para alimentar um consumismo insaciável", afirmou.

"Alguns de vós chegam das ilhas-Estado, que se vêem ameaçadas na sua própria existência pelo aumento do nível das águas; outros de nações que sofrem os efeitos de secas devastadoras."
Para o papa, entretanto, "não é só o ambiente natural que tem as suas cicatrizes, mas também o ambiente social".

Entre as "feridas" que, na visão do papa, "indicam que alguma coisa não está certa", estão "o abuso de álcool e de drogas, a exaltação da violência e a degradação sexual, frequentemente apresentados na televisão e na internet como divertimento".

"Pergunto-me como alguém, colocado face a face com pessoas que estão realmente sofrendo violência e exploração sexual, poderá explicar que tais tragédias, reproduzidas de forma virtual, devem considerar-se simplesmente como 'divertimento'", criticou.

"O nosso mundo está cansado da ambição, da exploração e da divisão, do tédio de falsos ídolos e de respostas parciais, e da mágoa de falsas promessas."

Secularismo
Bento 16 disse que os defeitos da sociedade são conseqüência da falta de uma "verdade absoluta para guiar nossas vidas".

"Hoje, há muitos que pretendem que Deus deva ficar de fora e que a religião e a fé, embora aceitáveis no plano individual, devam ser excluídas da vida pública ou então utilizadas somente para alcançar determinados objetivos pragmáticos", argumentou Bento 16.

"Esta perspectiva secularizada procura explicar a vida humana e plasmar a sociedade com pouco ou nenhum referimento ao Criador. Apresenta-se como uma força neutral, imparcial e respeitadora de todos e cada um. Na realidade, porém, como qualquer ideologia, o secularismo impõe uma visão global", prosseguiu.

"A experiência demonstra que o afastamento do desígnio de Deus criador provoca uma desordem com inevitáveis repercussões sobre o resto da criação."
O discurso do papa não fez referência aos abusos sexuais de crianças por parte de padres católicos - espera-se que o pedido de desculpas venha ao longo da viagem.

Bento 16 chegou na Austrália no domingo, em meio a um forte esquema de segurança. Manifestantes expressaram sua intenção de protestar contra a posição da Igreja em temas como o homossexualismo e o controle da natalidade.

Ele encerrará sua ida à Austrália com uma missa a céu aberto no domingo. Durante o evento, um grupo de aborígenes representará os povos nativos da Austrália.

Espera-se ainda que Bento 16 repita o pedido de desculpas do papa João Paulo 2º aos povos indígenas por injustiças cometidas por missionários católicos no país.

    Leia tudo sobre: papa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG