Na Argentina, Lula diz que Brasil é dono do próprio nariz

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira em Buenos Aires, durante encontro com a presidente argentina Cristina Kirchner, que o Brasil só deu certo quando foi dono de seu nariz. Agora começam a dizer quanto o Brasil vai crescer, quanto a Argentina vai crescer.

BBC Brasil |

Não quero ser desrespeitoso, mas o Brasil só deu certo quando foi dono de seu nariz", afirmou, ao lado de Kirchner.

O discurso de Lula foi feito um dia depois de divulgada a previsão do FMI de retração da economia global, com expectativa de queda de 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

Leia mais na BBC Brasil: FMI revê projeção e prevê queda de 1,3% do PIB brasileiro em 2009
"Se fossem tão fiscalizadores das crises como foram da Argentina e do Brasil, saberíamos desta crise (internacional) três anos antes", disse.

O presidente destacou ainda que a crise é uma "oportunidade" para que cada país implemente suas medidas, sem atender recomendações de organismos internacionais.

"A crise é oportunidade para fazermos o que não podíamos porque haviam as normas de Basiléia (sede do Banco Internacional de Compensações, que reúne os Bancos Centrais do mundo), do FMI e do Banco Mundial. E agora temos que criar as nossas regras."
"Medo de crise"
Lula iniciou suas declarações, dizendo que "as pessoas têm que entender que não podem mais tratar Argentina e Brasil como na década de oitenta".

Lula também sugeriu que, em vez de falar de crise, se comece a falar na etapa pós-crise internacional.

"Não tenho medo de crise. Sou de uma região do Brasil onde se a criança tiver medo de crise, nem nasce".

Também nesta quinta-feira, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, criticou as projeções feitas pelo FMI.

Protecionismo
Esta é a terceira reunião entre Lula e Kirchner depois que os dois líderes decidiram realizar encontros semestrais para estreitar as relações entre seus países.

Lula falou sobre a "importância" da integração bilateral, num momento em que o comércio entre os dois países registra forte queda - de cerca de 50% nos primeiros três meses deste ano frente ao mesmo período do ano passado.

Empresários dos dois países tentam chegar a acordos setoriais, depois que o governo argentino adotou, recentemente, medidas alfandegárias que atrasaram o desembarque das mercadorias, afetando produtos do Brasil.

Pouco antes, numa rápida coletiva, Cristina defendeu a postura argentina, falando da importância de se "defender o emprego e a indústria nacional" nestes tempos de turbulência econômica internacional.

"Não olhemos apenas para as alfândegas quando falamos em protecionismo. Olhemos também para questões cambiais e fiscais para não responsabilizar só questões de alfândega", disse ela.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG