Na África, papa diz que religião tem que se opor a totalitarismo

Yaundé - O papa Bento XVI começou hoje seu terceiro dia em Yaundé se reunindo com representantes da comunidade muçulmana de Camarões, e afirmou que as religiões têm que rejeitar todas as formas de violência e de totalitarismo.

EFE |

Perante dezenas de líderes religiosos muçulmanos, o pontífice afirmou que as religiões contribuem de maneira essencial à compreensão da cultura e do mundo "e à coexistência pacífica" de todos os humanos.

Segundo ele, o cristianismo e o islã, duas religiões monoteístas, concordam sobre a defesa dos valores fundamentais da família, da responsabilidade social, da obediência à lei de Deus e ao amor aos doentes e os que sofrem.

"Essa visão nos induz a buscar tudo o que é correto e justo, a sair do âmbito restrito de nosso interesse egoísta e atuar pelo bem dos demais. A religião rejeita todas as formas de violência e de totalitarismo", disse o papa.

Bento XVI disse ainda que, na realidade, religião e razão se sustentam reciprocamente, "desde o momento em que a religião está purificada e estruturada pela razão e toda a potência da razão se deve à revelação e à fé".

O papa, por fim, defendeu que católicos e muçulmanos trabalhem juntos por uma civilização do amor, pela paz, a justiça e o bem-estar comum.

    Leia tudo sobre: papa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG