Londres, 29 jun (EFE) - O Museu de Londres dedica, a partir desta terça-feira, uma exposição à história do tabaco, um ano depois de entrar em vigor em toda a Inglaterra a proibição de fumar em locais públicos.

Entre os objetos expostos está um tubo que contém as bitucas coletadas durante toda uma semana na City, centro financeiro da capital, onde os trabalhadores dos bancos e das seguradoras são obrigados a ir à rua para fumar.

O museu examina, por outro lado, as implicações da proibição de fumar tanto para aqueles que, em sua condição de não-fumantes, a acolheram com alegria, quanto para os viciados, obrigados a suportá-la diariamente.

Londres foi um centro do comércio do tabaco desde que esse produto foi introduzido no Reino Unido, em meados do século XVI.

O famoso explorador, poeta e pirata Walter Raleigh foi, em sua época, um fumante inveterado de cachimbo e contribuiu para popularizar o vício entre seus compatriotas.

Em 1614, já havia em Londres sete mil estabelecimentos nos quais era vendido tabaco, produto exótico que alcançou o auge de sua popularidade no século XIX.

Durante todo o século seguinte, as empresas tabaqueiras se valeram da publicidade para estimular o consumo em massa do tabaco, que se estendeu rapidamente.

Além de expor cachimbos e outros objetos relacionados com o tabaco, a mostra explica também como a relação estabelecida entre a fumaça e o câncer, entre outras doenças, contribuiu para mudar pouco a pouco a atitude dos consumidores em relação ao tabaco. EFE jr/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.