Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Museu de Londres apresenta robôs sensíveis às emoções humanas

O Museu de Ciências de Londres aproveitou a estréia nos cinemas das aventuras do robô Wall-E para apresentar ao público durante alguns dias Emotibots, uma exposição de robôs que podem reagir emocionalmente a comportamentos humanos.

AFP |

"As pessoas sabem da existência de inteligência artificial, mas sua percepção é que os robôs são autômatos industriais frios e compiladores de dados", explicou nesta terça-feira à AFP David McGoran, pesquisador em Robótica da Universidade de Bristol (oeste da Ingleterra).

"Mas durante os dez últimos anos, foi desenvolvido um novo domínio no qual os robôs se tornaram o oposto", acrescentou, após ter apresentado o "Heart Robot" (Robô Coração), um bebê-marionete em plástico flexível, programado para reagir ao som, ao toque e a movimentos próximos.

O Heart Robot - que apresenta uma certa semelhança com Gollum, a criatura do "Senhor dos Anéis" - recebeu seu nome devido ao "coração" vermelho visível no lado esquerdo de seu corpo, que bate em ritmos variados.

Seus grandes olhos negros e seu ar de total felicidade atraíram para ele as atenções do público nesta terça-feira, por mais ameaçadora que fosse a criatura exposta ao seu lado: o iC Hexapod, um robô parecido com uma tarântula gigante.

Enquanto que as seis patas metálicas se articulam para fazer o "animal" avançar, uma câmera miniatura instalada no lugar da cabeça analisa o rosto de uma jovem que o observa atentamente. O robô move a cabeça em função dos gestos da jovem e recua quando ela chega perto demais.

O Heart Robot e o iC Hexapod - equipado com um programa de reconhecimento facial-- são "emotibots", robôs programados para reagir às emoções humanas que o museu de Ciências de Londres apresenta de 29 a 31 de julho.

Para McGoran, que participou da criação do Heart Robot, e Matt Denton, o inventor da "tarântula", criar robôs capazes de reconhecer e reagir às emoções humanas básicas é uma etapa lógica em um mundo que depende cada vez mais da tecnologia na vida cotidiana.

phz/dm

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG