Afastadas desde que o caso foi descoberto pela administração do hospital, quatro das enfermeiras envolvidas já foram liberadas para voltar ao trabalho

Denunciadas por outra funcionária do hospital, as enfermeiras foram temporariamente afastadas de seus cargos
Creative Commons/Pixabay
Denunciadas por outra funcionária do hospital, as enfermeiras foram temporariamente afastadas de seus cargos


Cinco enfermeiras foram afastadas de seus cargos por infringir uma das regras do hospital onde trabalhavam. Funcionárias do Denver Health Medical Center, no Colorado, Estados Unidos, elas foram acusadas de abrir um saco para cadáveres apenas para observar as partes íntimas de um paciente falecido.

Leia também: Mulher dá à luz na rua, sai andando e para em restaurante para comer; assista

De acordo com o portal “Daily Mail”, a administração do hospital descobriu a ocorrência por meio da denúncia de uma funcionária, que escutou a conversa das enfermeiras e avisou a seus superiores. O caso aconteceu no início do mês de abril, porém, descoberto em meados de maio, só foi notificado na última terça-feira (5), após apuração do canal local Denver7 .

Com a acusação de abrirem um saco de cadáver para “admirar” o tamanho da genitália do falecido, as funcionárias foram denunciadas para o Departamento de Polícia de Denver. Após as investigações, foi concluído que elas não cometeram crime, e assim caberia ao hospital avaliar e tomar atitudes em relação ao caso.

Afastadas de seus cargos desde a primeira denúncia, quatro delas voltaram ao trabalho, enquanto a última não está mais empregada pelo Denver Health Medical Center – porém, segundo as autoridades, ela não foi demitida .

Leia também: Homem quase morre ao disparar pistola de pregos e atingir seu próprio coração

Presa por se recusar a infringir as regras

Enquanto tais funcionárias se destacaram por uma conduta inapropriada durante o trabalho, uma enfermeira do estado de Utah, Estados Unidos, foi presa após se recusar a realizar um procedimento proibido em seu hospital.

Nesta situação, um detetive pediu para uma funcionária realizar um exame de sangue em um paciente insconciente. Como a prática é proibida – sendo a única exceção o paciente ser um detento, o que não era o caso – ela se manteve contra o pedido do oficial e foi levada presa pelo detetive.

Mais tarde, a mulher que faz parte do quadro de enfermeiras do Hospital Universitário de Salt Lake City foi liberada. Por outro lado, o policial envolvido na situação foi afastado de seu cargo e deve ser alvo de investigações.

Leia também: Consolo por derrota do time? Casal é visto fazendo sexo em vagão de metrô de NY

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.