Tamanho do texto

De acordo com a criadora da ideia inusitada, o objetivo é fazer com que os participantes reflitam sobre a vida e deixem de ter pensamentos suicidas

Criadora da ideia diz que objetivo é fazer com que os participantes pensem sobre a vida enquanto estão nos túmulos
Reprodução
Criadora da ideia diz que objetivo é fazer com que os participantes pensem sobre a vida enquanto estão nos túmulos

Um grupo de mulheres chinesas que sofrem de depressão resolveu participar de um método nada convencional para tentar tratar da doença. Nessa inusitada terapia, os pacientes são colocados em túmulos abertos para que vivam uma “experiência de morte”. O objetivo é fazer com que os pacientes voltem a ver sentido na vida depois de vivenciar situação tão radical.

LEIA MAIS: Falso médico é preso na Austrália após arrancar o testículo de um homem

Os túmulos são rasos e ficam descobertos durante o momento de utilização. Segundo a criadora da ideia, Liu Taijie, de 30 anos, o intuito é fazer com que, durante a permanência na cova, o participante possa observar como seria o mundo sem sua presença. Enquanto isso, organizadores do “curso” passam mensagens para estimular a confiança e a autoestima dos pacientes.

Liu contou ao jornal britânico “Daily Mirror” que teve essa ideia há cerca de três anos, quando passava por um momento difícil e chegou a tentar o suicídio. Na ocasião, ficou desempregada e viu seu casamento ruir. Após se recuperar, ela decidiu usar sua própria experiência para ajudar outras mulheres a vencer a depressão .

LEIA MAIS: "Papai Noel do Crime" é preso nos EUA após ficar entalado em uma chaminé

"As lágrimas são inúteis e a morte não pode resolver problemas. Quero mudar e usar minha experiência para ajudar as mulheres", disse a criadora do método nada comum de tratamento do transtorno.

Uma das participantes contou ao jornal “People’s Daily China” que desistiu do suicídio após participar da “terapia alternativa”. “Eu comecei a pensar como seria se eu morresse. Pensei em como ficariam meus pais, meu filho, meu marido. Vi que não seria bom para ninguém”, comentou.

Depressão

Segundo dados divulgados nesta quinta-feira (23) pela OMS (Organização Mundial da Saúde ), o número de pessoas que têm depressão registrou crescimento de 18% entre os anos de 2005 e 2015. A estimativa da OMS é de que, atualmente, mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades sofram com a doença no mundo .

A depressão pode ser classificada como suave, moderada ou severa, dependendo do número de sintomas apresentados e pela severidade com a qual se manifestam. Em transtornos depressivos recorrentes, os episódios envolvem mudança de humor (a pessoa sente-se deprimida), perda de interesse e do prazer, além de falta de energia para realizar atividades por ao menos duas semanas. Muitas pessoas com depressão também sofrem com sintomas de ansiedade, distúrbios do sono, perda do apetite e falta de concentração.

Apesar dos relatos de que o tratamento alternativo nos túmulos foi bem-sucedido, o indicado é que as pessoas que sofrem de depressão procurem um especialista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.