Paciente teve de ser transportada em um avião cargueiro do Egito para a Índia; para sair do quarto, equipes de resgate precisaram de um guindaste

A egípcia Iman Ahmad Abdulati, considerada como a mulher mais gorda do mundo, será operada na Índia
Reprodução
A egípcia Iman Ahmad Abdulati, considerada como a mulher mais gorda do mundo, será operada na Índia

Considerada como a mulher mais gorda do munda, a egípcia Iman Ahmad Abdulati passará por uma cirurgia de redução de estômago que poderá salvar sua vida. O procedimento será feito na Índia depois que um dos principais cirurgiões bariátricos do mundo se ofereceu para operá-la gratuitamente.

LEIA MAIS: Com dor de cabeça, mulher vai ao médico e descobre barata viva dentro do crânio

A mulher , de 36 anos, pesa cerca de 500 quilos e, segundo seus familiares disseram ao jornal britânico “The Mirror”, ela não sai de casa há mais de 25 anos. Ela teve de ser retirada de sua casa com um guindaste, que a levou, na cama, para o veículo que fez o transporte até o aeroporto. Uma das paredes do quarto dela precisou ser quebrada para viabilizar a passagem.

Para viajar de Alexandria, no Egito , para Mumbai, na Índia, Iman teve de ser colocada em um avião de carga. Sem escalas, um voo entre as duas cidades dura entre oito e nove horas.

Transporte da mulher, que pesa 500 quilos, foi feito por meio de guindaste; ela voou para Índia em avião cargueiro
Reprodução
Transporte da mulher, que pesa 500 quilos, foi feito por meio de guindaste; ela voou para Índia em avião cargueiro

A cirurgia será feita pelo médico Muffazzal Lakdawala, apontado como um dos principais especialistas do mundo. Ao jornal “Daily Mail”, ele afirmou que a paciente ainda terá de passar por outros procedimentos, que deverão demorar pelo menos um ano para serem concluídos. O primeiro deles será a implantação de um balão gástrico para preencher parte do sistema digestório.

LEIA MAIS: Após deixar cadáver obeso cair de maca, empregado de funerária quebra a perna

A meta de Lakdawala é fazer com que Iman perca aproximadamente 400 quilos em dois anos. O especialista reconhece os riscos da cirurgia. Entretanto, alerta que deixa-la na situação em que se encontra, sem qualquer tipo de intervenção médica, seria ainda mais perigoso. “Sua vida está em risco”, disse ao “Daily Mail”. "Temos que tomar precauções especiais neste caso para garantir que não há problemas no pulmão ou o risco de um coágulo de sangue”, acrescentou.

Histórico

A família de Iman diz que ela nasceu com aproximadamente cinco quilos e foi logo diagnosticada com elefantíase, uma infecção parasitária que provoca inchaços nos membros. Aos 11 anos, sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) que a deixou acamada, fazendo com que iniciasse sua trajetória de ganho de peso.

LEIA MAIS: Médicas serão processadas por tirar selfie com paciente que morreu em cirurgia

Apesar de Lakdawala ter se voluntariado para fazer a cirurgia, a mulher quase foi impedida de entrar na Índia , já que as autoridades locais inicialmente, se recusaram a autorizar a entrada dela no país. O médico utilizou suas redes sociais para pressionar o governo indiano a facilitar os trâmites e liberar a imigração.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.