Casal indiano rejeitado por família deixa herança para macaco

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Animal foi comprado em 2005 pelo equivalente a R$ 23; ele é alimentado com leite, frutas e alimentos cozidos

BBC

Um casal indiano, cujo casamento foi rejeitado pelas famílias, decidiu deixar sua herança a um macaco de estimação.

Brajesh Srivastava e a mulher, Shabista, disseram ao serviço indiano da BBC que passaram "vários anos sozinhos" antes de comprarem o macaco Chunmun em 2005 pelo equivalente a R$ 23. O casal disse que criou o animal como um filho.

Srivastava é hindu e sua mulher é muçulmana. Casamentos entre pessoas de diferentes religiões é um tabu em várias regiões da Índia.

Shabista alimenta Chunmun com leite, frutas e alimentos cozidos
BBC
Shabista alimenta Chunmun com leite, frutas e alimentos cozidos

Shabista disse que as famílias se afastaram dela e do marido após o casamento. Eles não têm filhos.

Leia mais: Mendiga saudita deixa 'herança' milionária

Chunmun é alimentado com uma dieta de leite, frutas e alimentos cozidos. O quarto dele é equipado com um ar-condicionado e aquecedor.

"Ele come romã e toma um copo de leite no café da manhã. Às 10h, ele tem uma refeição de lentilha, pão, legumes e molho", disse Shabista.

"Ele (o macaco) era um bebê, com menos de um mês, e a mãe dele havia morrido após ter sido eletrocutada", disse.

Casal disse ter rejeitado pelas famílias; casamento entre pessoas de diferentes religiões ainda é tabu em partes da Índia
BBC
Casal disse ter rejeitado pelas famílias; casamento entre pessoas de diferentes religiões ainda é tabu em partes da Índia

Em 2010, o casal organizou uma grande festa de casamento para Chunmun e uma macaca - Bitti Yadav. Os dois macacos vivem juntos na casa do casal e celebram o aniversário de casamento com festas todos os anos.

Srivastava disse que as finanças da família melhoraram após terem adotado Chunmun. A casa onde o eles moram, na cidade de Raebareli, no Estado de Uttar Pradesh, norte do país, recebeu o nome de Chunmun.

Formiga e cigarra: conhecida por ser carnívora, a espécie Iridomyrmex purpureus protege as cigarras em troca do líquido que elas expelem. Foto: Reprodução/InternetFormiga e cigarra: em troca, as formigas protegem o inseto. Mesmo assim, se perdem a serventia, as cigarras podem virar alimento do formigueiro. Foto: Wikimedia CommonsTarântulas e sapos: anfíbios da espécie Chiasmocleis ventrimaculata cuidam dos óvulos e crias das aranhas em troca de proteção. Foto: Reprodução/InternetTarântulas e sapos: minúsculo e vulnerável, o sapo se arrisca, fica perto dos ovos e se alimenta de insetos, como formigas, protegendo a ninhada. Foto: Reprodução/YoutubeLapas e vermes: da espécie Megathura crenulata, as lapas se agrupam a moluscos com carapaças em formato de cones para se proteger de predadores. Foto: Reprodução/InternetLapas e vermes: as carapaças servem como proteção, mas nem sempre são funcionais,  já que um dos lados do molusco fica totalmente desprotegido. Foto: Reprodução/YoutubeVespas e ácaros: os aracnídeo acabam se transformando em 'babás', alimentando e protegendo as pequenas vespas. Foto: Reprodução/YoutubeVespas e Ácaros: depositados em um ninho, os microscópicos bichos respondem mordendo os supostos invasores dos ninhos. Foto: Reprodução/YoutubeCamarões-imperadores tem 'cavalos': pequenos e frágeis, os crustáceos acabam se deslocando pelo oceano sobre outros tipos de animais. Foto: Reprodução/YoutubeCamarão-imperador tem 'cavalos': eles montam em qualquer coisa que se mova, mas a prioridade é uma espécie venenosa, como água-viva ou um nudibrânquio. Foto: Reprodução/Youtube

"Um veterinário nos disse que era ilegal manter um animal selvagem como bicho de estimação. Quando ouvimos isso, começamos a chorar e dissemos que Chunmun era como um filho. Ele ficou com pena e conversou com algumas autoridades. Ele também nivelou os dentes de Chunmun e, assim, ele não morde as pessoas", disse ela.

Apesar de muitos artistas de rua treinarem macacos para apresentações, não é comum na Índia tê-los como animais de estimação.

Leia tudo sobre: índiamacacoherança

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas