Matthew Williams havia acabado de conhecer sua vítima, disse a polícia; jovem de 22 anos morreu por causa dos ferimentos

A polícia da Grã-Bretanha atirou com uma arma de choque e matou homem que comia parte do rosto de uma mulher em hotel do País de Gales, noticiou o jornal Independent nesta sexta-feira (7). 

Setembro: Enfermeiro canibal e pedófilo é condenado a prisão na Inglaterra

O suspeito Matthew Williams, 34, foi visto por funcionários comendo parte do rosto da companheira
Reprodução/Youtube
O suspeito Matthew Williams, 34, foi visto por funcionários comendo parte do rosto da companheira


Janeiro: Canibal diz ter comido homem por vingança na República Centro-Africana

A polícia galesa disse ter sido chamada por causa de um incidente em um hotel de Argoed, uma vila a 260 quilômetros de Londres, após relatos de que um homem estaria atacando uma mulher.

Segundo a equipe de segurança do Sirhowy Arms Hotel, os oficiais irromperam no quarto após o suspeito, Matthew Williams, 34, se recusar a deixá-los entrar. Quando entraram no quarto, o homem estaria comendo o globo ocular de uma jovem, que já tinha parte do rosto desfigurado por ele, contou o The Mirror.

Leia: Frente a frente com o 'rebelde canibal' da Síria

Os policiais explicaram que o tiro veio de uma arma de choque Taser. Uma investigação de homicídio foi aberta sobre a morte da mulher, acrescentou a polícia ao Metro News UK.

Williams, que havia sido libertado da prisão havia apenas duas semanas, foi formalmente preso, mas morreu momentos depois do disparo.

Veja criminosos que cometeram canibalismo pelo mundo

A vítima não teve a identidade revelada, mas morreu por causa de ferimentos durante o ataque. Ela tinha 22 anos e havia acabado de conhecer o criminoso. O ataque terrível contra a jovem foi recebido com repulsa por todo o país.

Jill Edwards, que mora perto do hotel, disse que "Este animal estava comendo a garota até a morte. Ele a assassinou e então a polícia o deteve - ótimo trabalho o deles", segundo o The Mirror.

*Com Reuters, Metro News UK e The Mirror

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.