Japonês cria desenhos que confundem o cérebro e parecem se mover

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Pesquisador explora anomalia em nossa visão periférica em relação à percepção da luz e da cor dos elementos do desenho

BBC

O professor de psicologia Akiyoshi Kitaoka, da Universidade Ritsumeikan, de Quioto, no Japão, é um mestre na arte da ilusão visual.

Mas o caráter lúdico das suas obras esconde um objetivo sério: testar as limitações da visão humana.

Há mais de uma década, o pesquisador cria imagens cujos elementos parecem estar se movendo.

Japonês cria desenhos que confundem o cérebro e parecem se mover. Foto: Akiyoshi KitaokaJaponês cria desenhos que confundem o cérebro e parecem se mover. Foto: Akiyoshi KitaokaJaponês cria desenhos que confundem o cérebro e parecem se mover. Foto: Akiyoshi KitaokaJaponês cria desenhos que confundem o cérebro e parecem se mover. Foto: Akiyoshi KitaokaJaponês cria desenhos que confundem o cérebro e parecem se mover. Foto: Akiyoshi KitaokaJaponês cria desenhos que confundem o cérebro e parecem se mover. Foto: Akiyoshi KitaokaJaponês cria desenhos que confundem o cérebro e parecem se mover. Foto: Akiyoshi KitaokaJaponês cria desenhos que confundem o cérebro e parecem se mover. Foto: Akiyoshi KitaokaJaponês cria desenhos que confundem o cérebro e parecem se mover. Foto: Akiyoshi KitaokaJaponês cria desenhos que confundem o cérebro e parecem se mover. Foto: Akiyoshi Kitaoka

"Comecei a criar a coleção de imagens para estimular visualmente macacos num estudo eletrofisiológico, pois eu trabalhava numa pesquisa de neurociência”, explicou ele à BBC Brasil.

Hoje, Kitaoka está interessado em saber como o cérebro interpreta os sinais recebidos dos olhos e entender questões vitais sobre a natureza da percepção humana e do funcionamento da mente.

O professor afirma que são as imperfeições da visão que nos dão a sensação de que a imagem se move. O efeito resulta de uma "anomalia" na visão periférica em relação à percepção da luz e da cor dos elementos. Por isso, nem todos conseguem ver os efeitos esperados.

Diversão

Além de importante, o trabalho de Kitaoka é também divertido. Ele ganhou projeção depois que uma de suas imagens foi usada para ilustrar o álbum ArtPop, de Lady Gaga, lançado no final de 2013.

A imagem contém objetos que se assemelham aos espinhos de um ouriço-do-mar que dão a impressão de que se movem, pulando para fora do desenho.

O pesquisador conta que o processo de criação é bem simples. "Apenas para fazer o desenho não se gasta mais do que 20 minutos se ignorarmos o tempo da pesquisa", explicou.

Seus trabalhos também já viraram livros ilustrados e quebra-cabeças.

Na sua página na internet há centenas de imagens, criadas ao longo dos anos. Perguntado se ele se acha mais cientista ou artista, Kitaoka responde rápido: "Ambos".

Leia tudo sobre: Japonêsimagenscérebro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas