Islam Yaken é membro de uma família abastada do Cairo, mas abriu mão da vida confortável para se juntar ao Estado Islâmico

Jihadistas do Estado islâmico, que ocupam grande parte da Síria e do Iraque, parecem ter ganhado um novo ícone esta semana, cujo cabelo encaracolado e óculos de aro preto modernos contrastam com a imagem de um jovem montado em um cavalo acenando com uma espada.

Hoje: EUA bombardeiam alvos de grupo extremista no Iraque

O egípcio Islam Yaken é tido como 'jihadista hipester' e exibe corpo definido em redes sociais
Reprodução/Twitter
O egípcio Islam Yaken é tido como 'jihadista hipester' e exibe corpo definido em redes sociais


Leia mais notícias do Mundo Insólito

A foto tem repercutido nas redes socias egípcias não apenas pelo visual moderno do adolescente, batizado de jihadista "hipster" (estiloso) nas redes sociais. Mas pela história de vida do rapaz, de acordo com pessoas que dizem conhecê-lo.

Segundo o The Telegraph, o jovem é Islam Yaken, um egípcio graduado e de família abastada do subúrbio do Cairo. Embora tenha defendido o ex-presidente da Irmandade Muçulmana do Egito Mohammed Morsi, Yaken mudou seu estilo de vida drasticamente há um ano e nem os amigos sabem explicar o motivo.

Sua página na rede social VK sugere que o egípcio seja um jovem aparentemente obcecado por seu corpo - perfil é dominado por uma série de fotos de Yaken em uma academia mostrando seu físico tonificado.

Agora ele usa o Twitter para glorificar o "Califado" de Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Estado Islâmico, e postar fotos sangrentas, incluindo uma de duas cabeças em um cesto onde ele as compara a cabeças de ovelhas que podem ser encomendadas em restaurantes egípcios especializados.

"A história de Islam Yaken é assustadora", escreveu um ex-colega de escola, Aliya Mikkawi, em sua própria conta no Twitter. "Ele costumava andar na escola comigo."

Ontem: Estado Islâmico toma maior cidade cristã do Iraque; milhares de cristãos fogem

Yaken foi educado no Liceu Francês em Heliopolis, um subúrbio elegante do Cairo perto do palácio presidencial, e fala Inglês e francês tão bem quanto o árabe. Depois, foi estudar direito na prestigiada Universidade Ain Shams, onde graduou-se no ano passado.

Seus tweets antes de entrar para a jihad, porém, mostram uma inclinação bem diferente. "Beijar queima 6,4 calorias por minuto", diz um post de 2011.

Agora ele tenta convencer sua família a se juntar a ele em Raqqa, cidade síria sobre o rio Eufrates controlada pelo Estado Islâmico.

"Falei com a minha mãe e lhe disse para vir e ficar nesse apartamento às margens do Eufrates", escreveu ele.

"Ela pode comer, beber e estudar com a família. Ela respondeu 'meu filho, o que aconteceria se os donos do flat voltassem? O que você faria?' Eu disse a ela para não se preocupar – eles estão mortos e enterrados."

Amigos disseram à mídia local que o jovem sempre foi "engraçado, mas respeitoso". Eles afirmam não terem ideia da intenção do egípcio em se tornar um jihad, embora tenham ouvido Yaken se referir a Morsi, a quem anteriormente apoiava, como "infiel", refletindo a posição de islamitas radicais como os da Al-Qaeda de que a Irmandade Muçulmana não deveria ter se envolvido na política democrática.

Embora ele não tenha respondido aos pedidos de entrevista, mostrou estar ciente do interesse da mídia por seu perfil, agradecendo jornais e emissoras de televisão por ajudar a "mobilizar" a população sobre o propósito da causa islâmica.

Para aqueles que o ofendem, ele demonstra uma resposta simples: "Algumas pessoas me insultam, mas isso é normal - é apenas bobagem", escreveu ele.

“Mas há pessoas que insultaram nossa religião, e eu aviso a elas que quando Deus abrir o Egito para nós, se eles ainda estiverem vivos, vamos pressionar o botão 'delete' de suas vidas."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.