Para afirmar identidade, Bolívia lança 'relógio do sul' em sentido anti-horário

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

'Quem disse que o relógio tem de girar em um único sentido?', perguntou o chanceler no lançamento do objeto no Congresso

BBC

O relógio da fachada da sede do Congresso boliviano, na capital La Paz, foi alterado para funcionar no sentido anti-horário. Os ponteiros agora se movimentam à esquerda e a posição dos números, de 1 a 12, foi invertida. O chanceler boliviano, David Choquehuanca, o apelidou de o "relógio do sul".

Leia outras notícias do Mundo Insólito

AP
Objeto que adorna a fachada do prédio na capital La Paz teve a posição dos números invertida

Ele disse que a mudança foi implementada para que os bolivianos valorizassem seu patrimônio, questionando as normas preestabelecidas e refletindo sobre elas de maneira criativa.

Abordagem criativa

"Quem disse que o relógio tem de girar em um único sentido? Por que precisamos obedecer a essa norma? Por que não podemos ser criativos?", questionou Choquehuanca em uma coletiva na última terça-feira. "Não queremos complicar as coisas; apenas devemos ter consciência de que vivemos no sul, não no norte", acrescentou Choquehuanca.

Ele também afirmou a repórteres que a Bolívia presenteou delegações estrangeiras presentes na cúpula do G77, na cidade de Santa Cruz, com relógios de mesa no sentido anti-horário.

O presente dado às comitivas tem a forma do mapa da Bolívia e inclui um território que atualmente é alvo de disputa com o Chile. A Bolívia alega que a região, atualmente sob domínio chileno, pertence ao país.

'Ideia ruim'

Questionado se o governo de esquerda da Bolívia poderia tentar expandir o uso dos relógios invertidos, Choquehuanca disse que o 'novo' sistema não será imposto. "Se você quiser comprar um relógio do sul, fique à vontade, mas se você quer continuar usar o relógio do norte, você pode continuar a fazê-lo", disse.

O novo relógio foi recebido com um misto de aval e reprovação por moradores de La Paz.

O engraxate Franz Galarza, que trabalha na Praça Murillo, em frente à sede do Legislativo boliviano, disse à agência de notícias EFE que o novo relógio foi uma "ideia ruim".

"Se eles querem enviar uma mensagem de que o país está mudando, então eles têm de esclarecer essa decisão para o povo, pois todas as pessoas que passam aqui em frente acham que o relógio é defeituoso."

Desde que Evo Morales se tornou presidente da Bolívia, uma série de medidas voltadas para incentivar a herança cultural indígena do país foi tomada. Morales tem descendência indígena Aymara.

O país, por exemplo, passou a adotar oficialmente a whipala, uma bandeira indígena colorida, que é içada sempre ao lado da bandeira verde, vermelha e amarela do país, usada desde o século 19.

Leia tudo sobre: bolíviarelógio

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas