Uruguai relembra episódio de sobrevivência e canibalismo nos Andes

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Em 1972, 16 pessoas sobreviveram a acidente aéreo no meio do nada porque se alimentaram dos colegas mortos

Em 23 de dezembro de 1972, perdido no meio da Cordilheira dos Andes, foi resgatado o último sobrevivente do voo 571 da Força Aérea Uruguaia, que transportava 45 pessoas e tinha desaparecido mais de dois meses antes, em 13 de outubro de 1972. Foram 72 dias de agonia entre o acidente e o resgate.

Sob severas condições climáticas (3.600 metros de altitude e temperaturas de até 20°C negativos), 16 pessoas sobreviveram ao acidente. Para estupor mundial, soube-se depois que eles praticaram canibalismo - se alimentaram dos colegas mortos para preservar a própria vida.

Sobreviventes do acidente nos Andes acenam para helicóptero de resgate que, em 23 de dezembro de 1972, os retirou do meio da Cordilheira dos Andes. Foto: ReproduçãoPassageiros do voo 571 da Força Aérea Uruguaia posam para foto antes da queda na Cordilheira dos Andes. Foto: ReproduçãoParte da fuselagem do Fairchild FH-227D que caiu nos Andes em 1972. Foto: ReproduçãoReunidos na fuselagem do avião, grupo de sobreviventes enfrentou temperaturas de até 20 graus negativos. Foto: ReproduçãoSobreviventes de acidente nos Andes se reúnem perto da fuselagem do avião. Foto: ReproduçãoDestroços do avião Fairchild FH-227D que caiu em 1972 na fronteira entre Chile e Argentina. Foto: ReproduçãoLocal do impacto do Fairchild FH-227D na Cordilheira dos Andes, que matou instantaneamente 12 pessoas. Foto: ReproduçãoO Fairchild FH-227D da Força Aérea Uruguaia que fez o voo 571 levando uma equipe de rúgbi para o Chile. Foto: ReproduçãoApós o resgate, sobreviventes do avião que caiu nos Andes recebem cuidados médicos e alimentação. Foto: ReproduçãoA região nos Andes onde caiu o avião da Força Aérea Uruguaia em 1972.. Foto: Reprodução


O avião Fairchild FH-227D levava a delegação de um time de rúgbi uruguaio que faria amistosos no Chile. O aparelho partiu de Montevidéu no dia 13 de outubro de 1972, mas devido às severas condições climáticas precisou fazer um desvio para atravessar a cadeia montanhosa rumo ao território chileno. Não conseguiu: a aeronave bateu numa elevação e caiu num vale no meio do nada.

Dos 45 passageiros, 12 morreram no momento do acidente e outros oito soterrados por uma avalanche ocorrida 15 dias depois do desastre. Mais nove sucumbiriam gradualmente por não resistir aos ferimentos do impacto da aeronave.

Perdidos no meio da montanha e sem comida, os sobreviventes tomaram a decisão mais difícil de suas vidas - até porque a maioria se conhecia e mantinha fortes laços de amizade. "Estávamos morrendo de fome, sem nenhuma esperança de encontrar comida. Ali só havia alumínio, plástico, gelo e pedras", relembra Fernando Parrado, um dos sobreviventes.

O próprio resgate só ocorreu depois de muita superação. Acompanhado por um colega, Parrado caminhou por oito dias escalando montanhas e cruzando vales até encontrar um modesto agricultor chileno a cavalo. O socorro ainda demoraria mais um dia.

A revelação de que os sobreviventes do acidente praticaram canibalismo ocorreu três dias após o resgate, numa reportagem do jornal El Mercurio, o principal do Chile.

Leia tudo sobre: canibalismosobreviventes nos andes

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas